Anuncie no Kekanto

El Kabong Grill: Opinião de(a) Gustavo Caravaggi Tenaglia

 
Era quinta feira e o final de semana estava chegando. Os “ SMS’s” tradicionais para decidir o que iríamos fazer entravam em ação. Mesmo com certa antecedência, só decidimos que faríamos algo. O que fazer (leia-se: onde iríamos comer) só foi decidido mesmo no finalzinho da tarde de Sábado (leia-se: 45 minutos do segundo tempo).

O destino da semana seria o já conhecido de todos, El Kabong Grill. Este restaurante de comida “Tex-Mex” já é um clássico dentre as minhas opções de última hora.

Fato: eu já estava enjoado da comida de lá, mas...

Outro fato: bons restaurantes nunca devem ser descartados.

Às 20h peguei minha namorada e nossa amiga, mas como não inovamos o lugar, resolvi inovar o caminho para lá. O El Kabong fica na paralela com a Rebouças, em uma esquina com a Rua dos Pinheiros, indo daqui (Vila Mariana) há dois caminhos fáceis e tradicionais, que variam quanto à praticidade, conforme a hora e o dia que você queira ir:

1) Ir pela paulista, pegar a Rebouças e seguir pela Rua dos Pinheiros (eu costumava ir por aqui);

2) Ou pegar Avenida Brasil, Henrique Shaumann, entrar à esquerda quando vir o Mc Donald’s e a esquerda novamente na Rua Mateus Grou (Vim por este desta vez).

Em 25 minutos chegamos ao local e, como “macaco velho”, estacionei o carro na frente do estabelecimento. E aqui dou uma dica: você pode estacionar o carro por 8 reais (em vagas na calçada) ao invés de pagar os 14 reais do estacionamento conveniado (em vagas na rua).

Como estava uma noite relativamente fria em São Paulo, havia muitas mesas no ambiente externo (as quais, é claro, foram prontamente oferecidas pela recepcionista) e poucas mesas no ambiente interno.

Pedi uma mesa para três e nós nos acomodamos perto do bar em uma mesa com cadeiras altas (tudo de madeira) aguardando nossa senha. Começamos a noite lendo o cardápio e observando o lugar.


Enquanto aguardávamos , conversa vai, conversa vem e eu resolvi ir ao banheiro. No caminho observei tudo àquilo que eu costumo prestar atenção:

1) Banheiro apertado e individual. Há dois banheiros de cada por andar (ponto negativo, porque o restaurante é muito movimentado, logo filas desagradáveis são quase inevitáveis);

2) Os corredores e as mesas do restaurante são pequenos, e a iluminação è baixa (com luzes direcionais nas mesas). Por um lado dão charme ao lugar, mas, por outro, o torna impraticável para deficientes físicos (principalmente cadeirantes).


15 minutos depois, chamaram nosso número e fomos alojados no segundo andar da casa e, se eu já não fosse cliente, acredito que teria ido embora. A mesa, redonda, estava no canto da parede, possuía 2 cadeiras e um sofá muito baixo (tudo geometricamente mal projetado) e, para piorar, estávamos ao lado do banheiro.

Pegamos novamente o cardápio (só por costume, porque já sabíamos o que pedir) e rapidamente pedimos nossas bebidas: uma Água com gás (3,5$), um refri (4$) e uma H2Oh! (5$).
Quanto às comidas fomos de:

1) Chicken Nuggets : Iscas de frango marinadas em um molho exclusivo da casa (de cerveja e barbecue), empanadas e fritas. (20$)

2) Potato Skin: Canoas de batatas fritas cobertas com queijo cheddar e bacon moído (sensacionalmente deliciosas, 24$).

Voilà: a fome já estava se aproximando quando as delicias calóricas chegaram antes (neste momento minha dica é: sempre pense que se você não tivesse ido à academia poderia ser pior). As batatas estavam sensacionais (apesar de ser suspeito para falar), mas achei os nuggets muito oleosos, mais do que era de se esperar num prato destes. Ainda assim, nada que estragasse a noite.

Nós já estávamos satisfeitos, mas como já tínhamos colocado o “pé na jaca”, eu e minha namorada resolvemos pedir uma sobremesa. A nossa amiga, mais comedida, pediu um café (3$), o qual veio em um copo de tequila (?).

Pedimos um Brownie de chocolate com 2 bolas de sorvete de creme (16$). E mais uma vez só veio corroborar para a minha idéia de que: não importa quão boa foi a refeição é sempre melhor comer um doce para terminar com chave de ouro (ou de chocolate).

Resumindo: Um sábado tradicional, com intuito de jogar conversa fora e dar risadas, foi complementado com o El Kabong. Recomendo que se você gosta de comida Texana, ou tem a curiosidade de comer, vá conhecer! O cardápio é variado e conta como opções: Taco, Quesadillas,
Carnes, saladas, etc. Apesar de que sempre peço as mesmas coisas!
Mais uma vez fomos embora satisfeitos e o El kabong está de volta para o meu catálogo de
restaurantes “coringas”.
Dica: Pedir Chicken Nuggets e Potato Skin é uma ótima opção!
Bom para: Ir com amigos, Casais, Jantar, Comer muito
Preço
$$
Ambiente
Comida
Atendimento
Bebida
Custo-benefício

Quem viu esta opinião também viu:
R Alfredo Pujol, 1765
Al. Jauaperi, 626
Renato Paes de Barros, 682
R Joaquim Távora, 1315
R. Dos Pinheiros, 661
R Purpurina, 493
Alameda Jauaperi, 845
Av Professor Alfonso Bovero , 754

El Kabong Grill

(59 opiniões)
El Kabong Grill
Endereço:

R. Mateus Grou, 15 - Pinheiros - São Paulo


Mais informações
Ver todas » Opiniões desse usuário
Milk & Mellow
Entre ternos e saltos altos resolvi almoçar com a minha namorada nesse restaurante. Eu, um polit...

Cervejaria Nacional
Há algum tempo atrás, houve um evento do Kekanto neste estabelecimento, mas infelizmente eu não p...

America
Eu sei, já escrevi sobre o América em uma outra oportunidade, mas desta vez mereceu um "revi...