The History

Endereço: Rua Gomes de Carvalho, 820 , Itaim Bibi - São Paulo , SP - Brasil - 04547-003

Telefone:

11 3846-44...

Clique para ver
Categoria:

Eletrônica

  | Rank: 2º de 37

Camarote, Estacionamento, Lista de Aniversário, Restaurante 

Preço por pessoa
$$$$ (De R$51 até R$100)
Site oficial
thehistory.com.br
Horário de funcionamento
Qui.
22h - 4h
Sex.
22h - 4h
Sáb.
21h - 4h

Formas de pagamento
Crédito:
Débito:
cash, credit card, debit card
Primeira opinião
Adriana de Souza ...
Detalhes
  • Ar condicionado
  • Aceita reservas
  • 600 lugares
  • Comanda individual
  • Música: Dj
  • Entrada: R$ 40,00 a R$ 99,00
  • Estacionamento

Enviar foto
Como chegar
Salvar favorito
Reportar problema
Escrever opinião
Como chegar - Traçar rota

  • Lugares parecidos
  • Contato
  • Cadastro

http://br.kekanto.com/como-chegar/the-history
Notas específicas:
Ambiente
(21)
Público
(22)
Atendimento
(21)
Bebida
(17)
Custo-benefício
(18)
Comida
(11)
Dicas
Colocar nomes na lista para obter desconto . Ideal para comemoração de aniversários . Necessário chegar bem cedo !
Mirian U.
Ir cedo, bom para festas de aniversário
Mayra A.
Otimo para festas de anivesario, amigo secreto, festa de empresa, ou simplesmentes com amigos dancar.
Maria A.
Se não gostar de ambientes lotados vá na quinta, se gostar de azaração e paquera vá no sábado, rsrsrsrs
Gastrônomo
Vá que voce nao vai se arrepender
larissa l.
Ver mais
Opiniões
Já havia ido a essa balada no passado em um aniversário e recentemente fui pelo mesmo motivo, não curto flash back.....também não entendi o Kekanto classificar essa balada em segundo lugar no ranking das baladas eletrônicas, já que o forte da casa é flash back.
Mesmo não curtindo o perfil da casa, faço algumas considerações: a casa apresenta todo o repertório acompanhado de clipes em telões enormes na pista e em telas menores por todos os ambientes. Achei bem interessante. Na abertura da pista e em vários momentos usa laser, gelo seco, desce o enorme globo e dessa vez vi novidades como: malabaristas em panos, go go boys e dançarinas.
Os estofados dos camarotes são bonitos, limpos e conservados.
A casa usa mesas redondas ao redor da pista, achei interessante pois elas são iluminadas assim como o piso na pista. Estive no camarote, mas jamais comemoraria algo naquelas mesas com pessoas dançando ao redor e se desequilibrando depois de algumas bebidas.....achei de mau gosto a localização das mesmas e sem proteção para separá-las do clima da pista.
A pista é muito pequena, ou melhor, a casa é pequena e não comporta muito público. Mas não estava cheia.
Pedi um sex on the beach que é a minha bebida preferida....mas fiquei decepcionada, estava longe de ser o que pedi!
O som é muito bom, mas direcionado a quem está na pista, quem prefere curtir o som encostado no bar bebericando não consegue ter acesso à mesma qualidade de som .
O sistema de pagamento é realmente organizado, guichês só para dinheiro, outros para cartões e há senha eletrônica também para quem quer continuar curtindo até ser chamado para o acerto.
A chapelaria não protege pertences, como casacos, em sacos plásticos como vejo em outras baladas. É questão de higiene.....penso que isso deve ser feito e na frente do cliente!
Não gostei da frequência....
Serviço de manobrista: R$ 30,00!!!! Achei um absurdo.....o carro demorou muito para chegar e ainda mexeram no sistema de som!
Não considero uma balada cara, mas é mais cara do que outra na mesma região, com um ambiente mais amplo, som excelente em qualquer espaço, repertório bem eclético nas sextas e sábados (meios repetidos sim....) e que oferece buffet até a meia-noite e café da manhã aos frequentadores.



Fui conhecer este lugar em meados do ano passado e, sinceramente, é um dos melhores clubes para se dançar em São Paulo. A estrutura do lugar é incrível, com a pista principal e 2 mezaninos, e bares em todos os ambientes. A pista é enorme e conta com tecnologia de última geração, com sistema de som absurdo, 3 telões gigantescos preenchendo uma das paredes e o maior globo espelhado do mundo!

Quem comanda o show é o mítico DJ Iraí Campos, que também é proprietário do lugar - quando ele começa a tocar, é tudo apoteótico: videos nos telões, luzes, o globo descendo e a cabine do DJ subindo!

Talvez por ser um pouco caro (paga-se entre R$50,00 e R$80,00 de entrada), e também por ser uma festa de flashbacks, a principal frequência é de um público mais velho, acima dos 35 anos.

Os funcionários são educados e atentos, os banheiros são limpíssimos e para pagar não se enfrenta fila: há um sistema de senhas em que se fecha o cartão de consumo em terminais espalhados pela casa e vai aparecendo o número das senhas em ordem numérica - assim dá para curtir a casa tranquilamente enquanto aguarda a vez, sem ter que ficar em fila. Demais, não???
A seleção de músicas retrô convida o público entre 28 e 40 anos a frequentar a The History, a melhor casa de disco dance em São Paulo. Mesmo os R$ 60 para entrar não afastam os clientes que chegam de madrugada à região da Vila Olímpia.

Se por um lado os banheiros são limpos, a segurança é eficaz e o sistema de pagamento é louvável - não é necessário pegar fila! -, o espaço, frequentemente, não comporta a quantidade de pessoas que estão no local. O piso térreo fica abarrotado e os mínimos movimentos se tornam difíceis.
The history é uma das melhores baladas que já conheci, a anos vou aí simplesmente apaixonada pela música flash back

O ambiente é bem legal e é dividido por pista e se mal não me lembro por dois camarotes, a música ótima

O lugar fica pequeno e sempre é lotado o melhor é ir cedo pra pegar um cantinho e descansar as pernas depois de tanto dançar ou fazer uma reserva também seria uma boa ideai

O atendimento é bom e é fácil de chegar, o preço é bom sem ser muito caro e varia pouco entre pista e um camarote a outro, o melhor também seria colocar o nome na lista que você acaba tendo um desconto no ingresso!

Eu recomendo para quem goste de música flash back o lugar é muito bom.
Fui convidada para comemorar o aniversário de uma prima nessa balada em uma sexta-feira e o que posso dizer? LUGARZINHO diferente.... rsrsrs
Bom, lá rola músicas mais antigas, anos 60, 70, 80 e algumas de 90.
Me senti muito nova e deslocada, olhava para os lados e tinha a impressão que pudesse encontrar alguma tia minha a qualquer momento rsrsrs
Achei o Dj muito fraco.
Pedi um mojito e saiu por R$20, 00 não gostei pq foi servido com pouca hortelã e com as folhas picotadas.
Cerveja stella por R$ 10, 00.
Recomendo para quem gosta de música antiga, a casa é bom bonita, mas não faz meu estilo.
Balada legal, mas na noite que fui estava bem cheia, era um sábado e cheguei por volta de 23h30; não havia fila nenhuma para entrar.

Gostei muito da "abertura oficial" que ocorre à 1h da manhã, bate um momento nostalgia!

Várias das músicas que tocaram eram da época que eu era apenas um menino; repertório mais antigo e o público é de um pessoal mais maduro.

Vale a pena para quem gosta de música 60/70/80/90!
Para quem gosta de relembrar as músicas que marcaram os anos 60, 70, 80 e 90, a The History, é a balada perfeita para reviver esse tempo. Com um público mais velho porém ainda muito animado a casa é pequena mas aconchegante com atendimento muito bom, serviço de Vallet na porta por R$25,00. O preço da entrada varia de R$60,00 com nome da Lista e R$70,00 sem o nome na lista. As bebidas e aperitivos estão no preço médio das baladas e são muito bem preparadas, vale a pena experimentar a caipirinha, boa pedida para incorporar o Michael Jackson em cada um de nós...rs. Se você gosta de músicas e baladas antigas, vá para a The History!
Horrível. Os exageros de segurança são opressivos. Os seguranças, em quantidade exagerada, parecem chefões da máfia, Empurram e parecem agentes carcerários. Na entrada, impõe ao cliente até o caixa que devem ir. Mesmo com cartão de cliente preferencial, 'confirma-se' dados, no corredor de entrada mais dois REVISTAM com detector de metais e bolsas como se fôssemos entrar num presídio. Dali se é fotografado mil vezes. Os garçons são grosseiros, já chegam ordenando que se deixe bolsa e casaco na chapelaria, "que não se responsabilizam". No bar, o barman questiona sua bebida, "é muito doce", ou "muito xx"... para sair para fumar, se passa por DUAS portas, fica-se PRESO entre a 1º e a 2º até que a 1º se feche e abra-se a 2º; no fumódromo, na rua, mais 6 ou 7 seguranças. As 3:00 hs fomos COLOCADOS PARA FORA, pq a casa ia fechar!!! Não fomos convidados, fomos CONDUZIDOS! No caixa, com o cartão da casa, "confirma-se" seu nome, paga-se na presença de MAIS SEGURANÇAS e só sai se disser seu nome!
Bom dia pessoal, estou iniciando hoje minhas resenhas sobres baladas (acho que não vou terminar em, pelo menos, vinte anos mais).

Nada melhor que começar pela, na minha opinião, é a melhor de todas as baladas na cidade.

Apesar de detestar o dono da casa, o acho um **********, **************, ***********, ***********, ******** etc (opinião minha), acho a melhor casa para se curtir uma balada em sampa.

iniciaremos pelo aparência do lugar.

Iluminação perfeita, som intocável, ar-condicionado não supre as necessidades mas para uma balada é um dos melhores que já vi. São quatro camarotes sendo um preto, um vermelho (na altura da pista de dança) um chamado Sky (um nível acima da pista) e um camarote chamado VIP Panorâmico (dois níveis acima da pista, com uma visão privilegiada da casa inteira),

Dois bares na pista, onde um dos bares atende os camarotes preto e vermelho também. um bar no camarote SKY e um bar no VIP.

Banheiros: nunca vi numa balada banheiros tão limpos. São dispostos da seguinte forma: - um masc. e um fem. na pista onde todos tem acesso; um masc. e um fem. no camarote vermelho (todos ocupantes do cam. vermelho e do VIP tem acesso); o camarote preto não tem banheiro(deverá usar o da pista, o que é terrível qndo está lotado); um masc. e um fem. no camarote SKY (todos os ocupantes do camarote SKY e do VIP tem acesso) e um masc. e um fem. no VIP (somente os ocupantes do VIP tem acesso).

OBS: os clientes do camarote VIP tem acesso a todos os ambientes da casa, apenas mostrando a pulseira, que geralmente é uma diferenciada (brilhante).

Os DJs são: DJ Michel K (o melhor da casa) e DJ Iraí Campos

A música é o melhor para quem gosta de Disco e Flash Back, nunca vi igual, simplesmente a melhor balada desse gênero, sempre frequentada por pessoas de faixa etária maior (diria entre 28 a 40 anos), os preços também não é barato, prepare-se para gastar em média uns R$ 300,00.

Em relação ao serviço:

Tem serviço de manobrista na casa, se não me engano é R$ 25,00, muito bons e educados.

Taxi de confiança na porta.

Vários caixas para a entrada e um sistema de senhas para fazer o pagamento, não tem aquela imensa fila que costuma nos castigar.

Os garçons são super educados e sempre prestativos, com um uniforme lindo.

Os seguranças são super educados, e por todas as vezes que fui fui muito bem tratado, isso mostra que o setor de segurança está mudando e que daqui um tempo não existirá mais o segurança truculento e sim o segurança inteligente que sabe ser educado, gentil e extremamente eficaz quando necessário.

Na casa tem performances maravilhosas, como uma acrobata em um tecido, uma representação do titanic (tem q trocar a peruca da Rose, já ta velha, rsrsrsrs), dois dançarinos representando a música Macho Man, tem um casal dançando a música Santa Esmeralda (cigano), casal dançando Grease, tinha a da Madona (não sei se tem ainda) tem um Homen-Aranha (ri muito), as dançarinas dançando a música do das Frenéticas, acho que se chama Dancin Days.

Não posso falar da comida pq sempre q fui nunca comi, sempre bebi, e fazia o esquenta fora pq lá é muito caro (tem uma padoca bem de esquina, rsrsrsrs sou pobre mesmo, e daí?).

a casa tem um globo imenso do lado de fora e outro dentro. e tudo que toca o clipe passa nos telões.

Espero ter ajudado um pouco quem não conhece e relembrado quem conhece.
Exibindo de 1 a 14
Total de opiniões: 45

Nota geral Você conhece o The History? Escreva uma opinião! Dê sua nota!
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)