Sobaria Cozinha Sul Matogrossense

Endereço: rua aurea , 343 - Vila Mariana , Vila Mariana - São Paulo , SP - Brasil

Telefone:

11 5084-80...

Clique para ver
Categoria:

Restaurantes Brasileiro

  | Rank: 65º de 362

Vocês não imaginam a minha felicidade de encontrar um restaurante com esse cardápio! Sou do MS!!!”, comemora Etiene Costa Borges no facebook. O motivo de tamanha contentação fica na Vila Mariana, em São Paulo. É um daqueles momentos quando os pequenos detalhes cotidianos humanizam as pessoas. A v...  Ver mais

Preço por pessoa
$$$$ (De R$26 até R$50)

Site oficial
sobaria.com.br
Redes sociais
sobariams

Bom para
Comer muito

Primeira opinião
Fabio Cunha
Formas de pagamento
Crédito:
Débito:

cash, credit card, debit card
Horário de funcionamento
Seg.
12h - 23h
Ter.
12h - 23h
Qua.
12h - 23h
Qui.
12h - 23h
Sex.
12h - 23h
Sáb.
12h - 23:59
Dom.
12h - 23:59


Detalhes
  • Música
  • Estacionamento


Como chegar
Favorito
Reportar problema
Escrever opinião
Como chegar - Traçar rota


http://br.kekanto.com/como-chegar/sobaria-cozinha-sul-matogrossense-3
Notas específicas:
Ambiente
(11)
Comida
(11)
Atendimento
(11)
Bebida
(11)
Custo-benefício
(11)
Dicas Ver mais
Opiniões
Realmente o soba se popularizou em Campo Grande, graças a sua enorme colonia japonesa de origem das ilhas de Okinawa, e caiu no gosto popular dos cidadãos que tem uma praça que este prato é oferecido em muitas barracas, tornando-se (incrível) prato regional.
Como sou descendente de japoneses, o paladar não agradou, como dito em muitas resenhas aqui publicadas, o melhor são as linguiças e carnes como a costela bovina são boas escolhas.
A parceria com o vizinho sorvetes Frutos do Brasil, oferecem o sorvete assado, que é uma sobremesa muito curiosa: pão-de-ló, salada de frutas da época, sorvete a escolher e marshmallow levados ao forno.

via iPhone

Sentamos na varanda, que é bem mais agradável do que na parte interna, pois havia um cheiro forte de álcool e é meio abafado.
Pedimos um mix no rechaud, que vem um pouco de linguiça pantaneira, cupim, bananinha, pacuzinho e mandioca cozida. A linguiça é de carne bovina, bem temperada e seca, por ter quase nada de gordura. O cupim foi cozido e tostado na chapa, sem tempero. A bananinha é aquela parte lateral do contra filé, que tem gordura e nervo, porém saborosa, mas pouquíssima carne decente. O pacuzinho é uma outra parte da carne, parece uma parte da fraldinha, dada as fibras horizontais bem perceptíveis. 79 reais, para duas pessoas, acompanha arroz, farofa e vinagrete.
Pedimos uma porçâo de mandiopan, 16 reais. Um suco, 6,80 e uma cerveja heineken 600ml, 9,80.
Achei tudo razoável, nada que pudesse recomendar.
Fui dois domingos seguidos e super recomendo!

Ambiente rústico (cadeiras não muito confortáveis, mas há de se ter paciência), com um senhorzinho tocando um violãozinho baixo, com Chico, Djavan, Almir Sater.

A cozinha é do Mato Grosso do Sul e o cardápio tem sobás (macarrão de trigo sarraceno, típico do Japão, e pelo jeito do MS tbm - ao menos os donos do restaurante disseram que tem muito japonês no MS e eles comem isso adoidado) e opções de carnes, petiscos e linguiças.

Na primeira vez fomos de mix de linguiça pantaneira, cupim, pacuzinho e bananinha. A linguiça pataneira é uma mistura de carnes bovinas nobres, não é muito gordurosa, e agrada até quem não é muito fã. O pacuzinho é um corte bovino magro (não confunda com o peixe pacu!) e a bananinha não é fruta mas tbm corte bovino, só que mais gorduroso.

Os escondidinhos também são muito bons, especialmente o de frango com pequi. Nunca tinha provado nada com a fruta, que puxa pro azedo-amargo e dá um toque especial na comida (mas não é todo mundo que gosta). Os pratos acompanham mandioca cozidinha e bem macia.

Tem cervejas normais de garrafa e a Colorado Caium, feita de mandioca, já que o pessoal do MS adora mandioca!

Os sobás são muito bons para dias frios, esquentem até a alma! Vêm com bastante cebolinha, uma omelete em fatias bem finininhas e a carne que você escolher (boi, frango, camarão).

De sobremesa dê um pulo na Frutos do Cerrado, que fica ao lado e é dos mesmos donos, para tomar um picolé de alguma fruta exótica. Lá você pode também comprar a linguiça pantaneira para levar para casa e fazer para os amigos no churrasco de domingo (fizemos em casa e fez muito sucesso!).
Experimentei um prato com mandioca, liguiça de carne bovina e cortes de carne típicos do Mato Grosso do Sul. Achei ótimo mas um dos cortes de carne muito duro. O ambiente é muito bom, no dia rolava uma MPB tipo violão e voz numa altura ambiente e bem agradável, puxando mais para o regional tipo Almir Sater etc... Vale a visita. Quanto ao Sobá, ainda não experimentei porque o garçon sugeriu que eu comesse num dia frio e não perderei a oportunidade.
Apesar do sobá não ser beeem sobá, gosto muito de lá e o que há de melhor são as carnes! Normalmente o prato pra uma pessoa serve bem duas pessoas. Os pratos que mais gosto: cupim (vem mesmo derretendo) e a costela com mandioca. (gosto do mandiopan também! mas a porção é meio cara, pela quantidade que vem.)
Já pedi caipicolés (ou algo assim) com os sorvetes do cerrado, mas não curti muito. Vou na tradicional garrafa de original mesmo!
O Restaurante é pequeno, de dois andares. Na hora da janta, mesmo nos finais de semana, foram raras as vezes que fui e tive que esperar pra sentar (em grupos de até 6 pessoas...).
De vez em quando tem música ao vivo (heavy metal, punk... brincadeira! sertanejo, mpb... bem light), então rola um couvert artístico.
Os sorvetes do Frutos do Cerrado (agora Frutos do Brasil) são uma boa pedida pra sobremesa!
Apesar do restaurante ter tirado seu nome do sobá (uma espécie de lamen que, dizem, é super comum no Mato Grosso do Sul), acho que esse deve ser o prato mais fraco da casa. Para mim, o lugar vale pelas linguiças. A de maracaju, feita de carne bovina, é sensacional. A pantaneira e a sertaneja também são ótimas. Todas acompanham vinagrete e mandioca cozida, se bem me lembro. Três dicas: o pão de alho é delicioso e perfeito para começar a comilança; tem tererê, uma espécie de chimarrão gelado (não é todo mundo que gosta - eu adoro); e durante a semana tem almoço executivo, com porções bem fartas a uns R$ 25. Uma chatice: volta e meia tem música ao vivo, do tipo músicas do Djavan na voz e violão.
A proposta do restaurante é interessante: comida do Mato Grosso do Sul.. porém ele deixa a desejar um pouco..
O ambiente é médio, claro demais e as cadeiras são um pouco desconfortáveis..
O sobá estava bem mediano e faltou bastante sabor..pedi o de shitake
A linguiça de maracajú na brasa estava bem feita e saborosa, acompanhada de vinagrete, farofa e mandioca!
A sobremesa é a melhor parte! Os sorvetes de massa e picolés do cerrado! Tem uma lojinha bem ao lado do restaurante com dezenas de opções de frutas que eu nunca tinha ouvida falar, bem naturais e deliciosos..
O restaurante oferece pratos do sul do Mato Grosso e o Sobá (macarrão japonês típico de Okinawa, que dá nome ao restaurante).

Mesmo tendo como especialidade o macarrão, sempre que fui optei pelas saborosas carnes, que contam com cortes diferentes dos tradicionais, e que sempre são oferecidas bem macias (algumas derretendo) e bem temperadas.

Como era a primeira vez que meu namorado visitava este restaurante, escolhemos o Mix no réchaud (R$65) que vem com quatro tipos de carnes:

1.Bananinha (intercostal do boi – obtido da separação da lateral da costela bovina dos ossos). Deliciosa!
2.Pacuzinho (nesse caso não é o peixe – mas sim um tipo de corte que lembra a fraldinha e que também é conhecido como bife do vazio).
3.Cupim (que vem derretendo)
4.Lingüiça Pantaneira (saborosa, bem temperada e quase sem gordura).
As carnes sempre acompanham arroz, vinagrete, farofa e uma mandioca amarelinha e super macia.

Para beber, entramos no clima e pedimos o Tererê (R$10) – bebida de mate que ao contrário do chimarrão é servida gelada.

Ah, para sobremesa aproveite para experimentar algum sorvete feito com frutas do cerrado. Eles são servidos no restaurante ou na loja que fica ao lado do restaurante. Só NÃO tomem de Jatobá.

Ta aí, um restaurante regional para se conhecer um pouco da culinária sul matogrossense, já que ela não é tão divulgada por aqui.
16/11/2009
Hoje tive reposição de aula da Pós e o Pepino deu uma passadinha lá. Estudo na Rua Joaquim Távora e pelas redondezas tem muitas opções de Barzinhos e Restaurantes. Aproveitando a proximidade, visitamos a Sobaria, uma casa que serve cozinha Sul-Matogrossense.
O lugar é tranqüilo, com algumas mesinhas de madeira dentro e fora, pouca luz e um músico que toca MPB.

batata:

Já que o nome da casa é Sobaria e há 4 opções de Sobá (macarrão japonês, tradicionalmente degustado na véspera do Ano Novo para trazer riqueza e longevidade) no cardapio, resolvi então pedir um Sobá Médio com Lombo. Além do Lombo, o Sobá é acompanhado de omelete cortado em finíssimas fatias, cebolinha, caldo quente e um potinho com gengibre ralado à parte. Perguntei ao Garçom se o meu podia vir com o caldo gelado, porém ele disse que não seria possível. Particularmente acho que teria ficado melhor, mais refrescante. Poderiam fazer essa versão verão!
Não há miséria nos acompanhamentos, até o fim você ainda encontra uns pedacinhos da carne para comer com o macarrão. Porém achei o molho abrasileirado, sem muito tempero. Parecia só shoyu com água, nada parecido com o caldo que a minha Batian (avó) faz no fim do ano.



O Pepino pediu Cupim ao Leite, que vem acompanhado de mandioca cozida, arroz, farofa e vinagrete. Quando o prato chegou nos assustamos, pois serve facilmente um casal e eu já havia pedido o Sobá. O Cupim estava saboroso, porém seco, talvez por ter sido cozinhado e não assado. A mandioca estava macia, entretanto sem sabor, se fosse frita ia ficar perfeito. O Pepino gostou bastante do vinagrete que casou muito bem com o Cupim e a farofa.
Para beber pedimos o Tereré, uma erva mate para tomar gelada. É a bebida mais popular tomada no MS. O mate vem na guampa, que é o chifre do boi transformado em copo (feito especialmente para tomar o Tereré) e uma garrafa térmica com 2,5L de água gelada.



O serviço estava ok, com poucos funcionários, mas todos atenciosos.
Voltaria lá, talvez, para experimentar outros pratos. Infelizmente o Sobá deixou um pouco a desejar e o Cupim poderia estar mais molhado e macio.
É um restaurante que embora chame-se sobaria, os melhores pratos da casa são as carnes.
Experimentei o soba e adivinhem... achei muito fraco.
Pequeno, com poucos complementos, sem tempero precisando colocar shoyu a mais.
Carnes como costela, linguiça enrolada na chapa e mandioca que acompanha muito bons !
O preço não é dos melhores mas é uma opçãao válida de comida da região.
Local bem pequeno e de origem rio matogrossensse.
Possui um ambiente agradável mas de vez em quando possui o couvert artístico obrigatório... mesmo quando não queremos.
Exibindo de 1 a 14
Total de opiniões: 31

Nota geral Você conhece o Sobaria Cozinha Sul Matogrossense? Escreva uma opinião! Dê sua nota!
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota
Título da opinião

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)