Restaurante Fazendinha

Endereço: Av Corifeu de Azevedo Marques , Butantã - São Paulo , SP - Brasil

Telefone:

3727-1052

Clique para ver
Categoria:

Restaurantes Brasileiro

  | Rank: 62º de 369
Preço por pessoa

Bom para
Famílias

Primeira opinião
Wiliam Kiyoshi Ue...
Formas de pagamento
Crédito:

cash, credit card
Detalhes
  • Mesas ao ar livre
  • Proibido fumar
  • Estacionamento: grátis


Favorito
Como chegar
Reportar problema
Sou dono
Escrever opinião
Como chegar - Traçar rota

  • Baixe o app
  • Lugares parecidos
  • Cadastro
              
Baixe o app grátis

http://br.kekanto.com/como-chegar/restaurante-fazendinha-7
Notas específicas:
Ambiente
(6)
Comida
(6)
Atendimento
(6)
Bebida
(6)
Custo-benefício
(5)
Dicas
Atenção para os horários. A casa fecha entre o almoço e o jantar.
Pedro S.
Experimente o bolinho de mandioca com mussarela
Guilherme B.
Feijoada de sabado a tarde!
Luislack
Opiniões
O lugar e até mágico !!

No meio de árvores, funciona uma cozinha à vista dos clientes, com um fogão a lenha cheio de panelas.
O lugar carrega um clima simples bem de interior em seu salão aberto.

A sacada da casa é a feijoada servida as quartas (buffet) e sabados (a la carte para três pessoas)

O nhoque de mandioca e a costelinha ao molho de ervas são também boas pedidas no almoço de quinta em familia.

Vale a pena conhecer este lugar no meio de um pedaço da mata atlantica.


O preço é bem caramara em média de $55 ... vale o valor podem acreditar !!
Um restaurante super simples por Kilo no Butantã.

É uma boa opção para almoçar para quem está na USP e região, um por Kilo que não é caro (como alguns na USP), normalmente bem mais vazio, e com um ambiente bem interessante! Parece mesmo como se o restaurante fosse em uma varanda de um sítio ou fazenda, com várias árvores, galinheiro e galinhas passando é uma experiencia bem diferente e divertida! Ótimo para fugir um pouco da "cidade".

Além do self-service (que foi o que eu sempre comi) sei que eles também opções de pratos, os copos de suco são bem servidos. Só não demoraria muito para ir lá comer pois já aconteceu de ir muito tarde e alguns pratos do self-service terem acabado...
Um dos lugares que gostava bastante de ir, com os colegas de USP, quando tínhamos tempo para almoçar. É como um sítio, mesmo, com galinheiro e tudo. Da maior parte das vezes, utilizei o self service. Já vi gente reclamando de comida fria, por isso sempre tento não ir muito tarde para almoçar. O ambiente propicia uma boa conversa com os amigos e é bastante agradável e simples. Já fui à noite comer pizza e achei bem gostoso.

Vale a pena pelo diferencial do ambiente de fazenda, mas com relação à comida, nada extraordinário.
Estive la neste sabado dia 17.08.2013 com 3 adultos e meu filho 8 anos ao chegar fomos atendidos por um garçon muito educado ao pedir 1 feijoada grande e uma pequena o mesmo ja disse espere chegar a grande e veja e sera necessario outra muito honesto da parte dele e foi isso uma deu so pedimos um arroz a mais feijoada excelente o lugar muito diferente ou seja como sentamos no salao proximo a area que fica as mesas externas ali havia 5 galos que ficavam soltos andando bem proximos a nossa mesa nossa muito diferente o lugar tem uma natureza incrivel e um preço justo a tudo vale muito pena conhecer ok.
O Local é para quem esta cheio de apertos e filas e shopping, amplo estacionamento, com arvores frutas, galinhas inclusive algumas soltas na parte descoberta do restaurante que passa a impressão de sitio mesmo, na parte coberta rola um regional de choro, musica 100% BR, excelente para casais com crianças, e grupo de amigos mais descolados, se quiser passar a impressão de intelectual é o restaurante ideal preço normal tratamento exemplar e a cozinha aberta a visitas inclusive quando entra você passa por ela.
Eu não sei se com você acontece o mesmo, mas de vez em quando me dá uma vontade louca de fugir da cidade para o meio do mato. O problema é que, mesmo a vontade sendo forte, a disposição em obedecer-lhe é sempre muito fraca.
Para que isso não se torne um dilema, recorro a alguns lugares escondidos em São Paulo onde é possível passar algumas horas se sentindo – realmente – numa fazenda.
Não por acaso, um desses lugares chama-se Fazendinha Butantã, um pequeno oásis incrustado num dos lugares mais movimentados do mundo: a avenida Corifeu de Azevedo Marques, no miolo do Butantã.
Sabe aquela história de que para chegar ao Paraíso tem que passar pelo Purgatório? Pois é. Para chegar até o Fazendinha, você tem que passar pela Corifeu, não tem jeito. Mas aí você logo entra numa ruazinha discreta e, em menos de meio quarteirão, você já chega ao seu destino.
O discreto portão funciona como um portal daqueles de filme, transportando você para um universo paralelo. Do lado de lá há uma chácara silenciosa, com uma casa reformada como um amplo e aberto galpão de fazenda, um quintal repleto de árvores e até um galinheiro. O final do terreno dá para os fundos do Instituto Butantã e para a USP, o que explica tamanha vegetação e tranquilidade.
No meio disso tudo, uma cozinha com um fogão à lenha que funciona à vista de todos e um restaurante bem simples, com mesas de plástico, toalhas de papel e um clima bem interiorano, cujos responsáveis são a Gê, uma senhora mineira com grande talento para o fogão (redundância?) e o Arthur, seu marido, ex-funcionário de uma multinacional e apaixonado por motocicletas.
Foi nas reuniões caseiras com amigos, colegas de trabalhos e parentes que Gê começou a servir sua feijoada. Como a coisa fez sucesso, tornou-se semanal e aos poucos foi aceitando encomendas e abrindo para outros convidados, enquanto Arthur se virava fazendo as vezes de garçom.
Durante um bom tempo, o único ajudante que tiveram no restaurante foi do filho Luiz Arthur Cané, hoje um famoso lutador do MMA, também conhecido como “Banha”. Durante muito tempo ele alternou horas de trabalho no Fazendinha com outras de treinos de jiu-jitsu na academia de Ryan Gracie e de muay thai com a equipe Gibi Thai/Pamplona, dos lutadores Moisés Gibi e Eduardo Pamplona.
Mas não demorou para o sucesso se espalhar e a coisa crescer. As instalações tiveram que ser ampliadas. O Artur teve que deixar o emprego para doar mais tempo à nova empreitada, e Gê agora só supervisiona os funcionários de sua cozinha. Tudo com muito cuidado para não estragar o clima de “almoço de amigos no quintal de casa”.
A feijoada, servida às quartas e sábados, continua sendo a estrela da casa, mas há outras alternativas, com destaque para o nhoque de mandioca e a bela costelinha ao molho de ervas, servidos aos domingos. Completando o clima, um alegre grupo de chorinho alegra as tardes dos freqüentadores.
Se a sua idéia é fugir da confusão metropolitana por apenas algumas horas, este é o lugar. Cuide apenas de definir bem seus horários e objetivos gastronômicos, pois o almoço acaba mais cedo que o normal da cidade e aí a casa fecha, reabrindo mais tarde como pizzaria. O que pode ser ainda mais interessante, afinal, quantas vezes você já comeu pizza na roça?
Estava de resguardo total, comendo em medidas homeopáticas se levar em consideração minha porção “normal” do dia-a-dia. Evitando folhas, maioneses, coisas muito pesadas.

Até que hoje meu telefone tocou e rolou a seguinte conversa:
Outro lado da linha: Onde você tá?
EU: No trampo…
Outro lado da linha: Até que horas?
EU: Daqui a pouco. Saio às seis.
Outro lado da linha: Ok, então eu passo aí pra te pegar e a gente vai comer alguma coisa.
Foi praticamente um sequestro relâmpago. Quando percebi já estava na mesa sentada com uma amiga escolhendo o sabor da pizza…

Fomos ao Fazendinha que fica MUITO PERTO do meu trampo, mas que eu NUNCA tinha ido.

O lugar é bem tranquilo, escondidinho, mas com bastante espaço. O atendimento é muito bom! Minha amiga, super em casa, “truta” dos garçons, sabendo até qual fazia a melhor caipirinha…rs
E eis nosso pedido, depois de muita avaliação:Meia Fazendinha (lombro fresco, champignon, bacon e, detalhe, legítimo catupiry) / Meia Berinjela (mussarela especial, berinjela em conserva, azeitonas pretas fatiadas e parmesão).

Olha, como eu disse pra minha amiga, fazia tempo que não comia pizza que não viesse em caixinha… as últimas vezes que comi pizza fui tudo de delivery então foi sensacional comer uma quentinha, direto do forno e… que pizza!!!!

Eu AMO pizza de berinjela, mas é difícil encontrar um lugar que tenha uma pizza (de berinjela) que eu curta e é difícil também encontrar quem divida a pizza comigo, já que a berinjela não tem muitos seguidores. E essa pizza foi AMOR à primeira garfada.

Estava espetacular!! Muito saborosa mesmo! A outra também estava sensacional, pois não era enjoativa apesar de ter catupiry (afinal, o catupiry torna quase tudo enjoativo). Mas a de berinjela venceu!!
Fora que a massa estava no ponto certo, com a espessura na medida!

O Fazendinha foi uma surpresa pra mim e seu cardápio me deixou com vontade de voltar para provar o resto, já que lá eles tem outros pratos além de pizzas. E o preço de lá também é legal. As pizzas grandes estavam entre R$20~25.

Não resisti e pedi doce de abóbora de sobremesa, que estava uma delícia! Mas confesso que não aguentei tudo.

O jantar foi para brindar ao início de uma nova fase na vida da minha amiga, então, mais uma vez, um brinde à ela!!! Com direito à caipirinha e suco de melão!

Fica a dica!
Primeira opinião do lugar
Restaurante de comida caseira bem próximo de casa, a Fazendinha é um pouco escondida e por vezes me passou despercebida. Voltando para casa, entrei por curiosidade e pedi o cardápio para saber um pouco mais da comida que era servida aqui.

Além de pratos que lembram o interior, pizzas são servidas aqui, mas recomendo os lugares pertos que são mais baratos. A variedade é bem grande, com vários cortes de carne e um purê de batata tentador, além de que sábado é dia de feijoada. Os preços, bem como as pizzas, não são baratos, mas vale a pena para quem já está cansado da capital.
Exibindo de 1 a 14
Total de opiniões: 17

Nota geral Você conhece o Restaurante Fazendinha? Escreva uma opinião! Dê sua nota!
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota
Título da opinião

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)