Posto 6

Endereço: Rua Aspicuelta, 646 , Vila Madalena - São Paulo , SP - Brasil - 05433-011

Telefone:

11 3812-78...

Clique para ver
Categoria:

Bares e Pubs

  | Rank: 329º de 1289

Chope e cerveja 

Preço por pessoa
$$$$ (De R$51 até R$100)

Site oficial
posto6.com
Redes sociais
posto6
posto6

Bom para
Cerveja

Primeira opinião
Felipe Fonseca
Formas de pagamento
Crédito:
Débito:

cash, credit card, debit card
Horário de funcionamento
Ter.
17:30 - 1h
Qua.
17:30 - 1h
Qui.
17:30 - 1h
Sex.
17:30 - 1h
Sáb.
14h - 1h
Dom.
12h - 1h


Detalhes
  • Acesso para deficientes
  • Wi-fi
  • Estacionamento


Como chegar
Salvar favorito
Reportar problema
Sou dono
Escrever opinião
Como chegar - Traçar rota

  • Lugares parecidos
  • Cadastro

http://br.kekanto.com/como-chegar/posto-6
Notas específicas:
Ambiente
(13)
Comida
(13)
Público
(12)
Atendimento
(13)
Bebida
(13)
Custo-benefício
(12)
Dicas
Às terças-feiras, tem promoção de double chope Devassa
Sheila A.
Legal para fazer amigos.
Nill F.
Atmosfera jovial.
Moschea A.
Verifique a conta com cuidado!
Paula T.
Polenta frita!
Rayra C.
Ver mais
Opiniões
Fui ontem ao Posto 6 com irmãos e amigos. Já havia ido em um evento do KK lá uma vez.
O lugar é bem bacana, bem aconchegante e bem frequentado. O atendimento é ok.
Esles tem umas caipirinhas com sorvete bem interessantes...
No entanto fikei chocada com os preços que estão sendo praticados.
R$9,50 por um copo de chopp black???
R$8,50 por uma long neck????
Uma porção de bolinhos super mini R$30???E nem tava tão gostoso assim....além de pequeno, achei ele meio seco...quase não dava pra sentir sabor direito..nem a diferença entre os dois bolinhos q pedimos, um de carne seca e massa de abóbora e o outro de calabresa.

Relamente...muito caro...tanto q só comi umas coisas com o pessoal e tomei uma Antártica Citrus por R$6,50.

No final coimi 2 bolinhos, dois pedaços de picanha na chapa e esse refri e minha parte deu R$36.
Achei um absurdo e não pretendo voltar mais lá.
Conheci o Posto 6 num Happy hour do KK.Cheguei mais cedo,então bar estava bem vazio.Gostei bastante da decoração e do atendimento (ok,estava vazio,rsrsrsr).Como estava com bastante fome,pedi um sanduiche de X-frango e veio muito bem servido e ainda por cima achei barato,ainda mais para um bar na Vila Madalena.Vi no cardápio que tem várias opções de frutos do mar ,que eu gosto bastante.Voltarei lá para conferir ...O acesso é fácil por transporte público.
Antes de conhecer o bar eu já havia buscado algumas informações na internet e ao ver as fotos do local já simpatizei. Ontem (21/03/13) fui finalmente conhecer o lugar. O bar estava bem vazio, mas por volta das 21h começou a encher.
Ambiente muito agradável e bem decorado, com motivos futebolísticos. O bar é bem espaçoso e os garçons são muito atenciosos. Vários objetos pendurados, quadros com fotos de celebridades do futebol e bem legal que o teto do bar é todo decorado com nomes e autógrafos de jogadores.
Participei da "aula" de dança, enquanto alguns rapazes tocavam um sambinha de muita boa qualidade. Chopp geladinho, comida gostosa e ambiente acolhedor. Adorei e recomendo.
Um dos bares mais famosos da Vila Madalena, compõem o que a galera local chama de quarteto fantástico, junto a outros estabelecimentos que fazem esquina com o posto 6.

O espaço do bar é todo de influência carioca e é bem bonito além de respeitar padrões de acessibilidade para deficientes físicos (conta com rampas dentro e fora da casa). A decoração é bem legal e focada em itens do Rio de Janeiro e na música e notícias produzidas lá no RJ ideal dos anos 70.

A casa conta com uma extensa carta de petiscos e comidas, todas as que eu provei eram bem deliciosas e com bons chopps de diversas marcas (6,5$).

Provei um escondidinho de filé que esta incrivelmente bom, parecia um strogonoff gratinado e confesso fiquei muito surpreso com a excelente qualidade da carne (nota-se que de fato é filé), com a quantidade bem servida (alimentou 3 pessoas) e com a qualidade do prato (saboroso, cremoso e no ponto certo de assar tanto a carne quanto os mais líquidos - coisa rara de se encontrar), por uns 50$.

O atendimento é bom e prestativo, fiquei bem curioso com a coxinha de galeto, mas ao perguntar a um dos garçons o que tinha de diferente nela comparada as coxinhas de frango (afinal a porção é cara, perto dos 30$) e ele me disse que nada, só mudava o nome :/

A visita te leva ao que você normalmente encontra pela vila, mas escolha comidas que você possa dividir, pois os preços são altinhos.

Para quem gosta de ver futebol o local é genial, pois exibe os jogos projetando a imagem na parede do par da frente (Cervejaria Patriarca, que é do mesmo grupo), ou seja, você vê o jogo na rua numa tela do tamanho de cinema :) fabuloso!
Um dos bares mais movimentados da Vila Madalena. Pra quem curte assistir aos jogos é sensacional: do outro lado da rua, na Cervejaria Patriarca (do mesmo proprietário do Posto 6), há um telão gigante que transmite as principais partidas de futebol. Há dias em que a rua enche de gente para assistir e a Aspicuelta para (o povo realmente invade toda a área, e nem a polícia consegue pegar no pé). Agora, com a Lei Seca, não há tanto esta muvuca.

O Posto 6 imita a decoração de um boteco bem tradicional (apesar de ser grande e mais arrumadinho), com alguns azulejos, mesas na calçada, garrafas de diferentes cervejas espalhadas por todos os cantos. Uma coisa que me chamou a atenção foi ser um dos únicos bares com acessibilidade: há uma rampa na entrada e para o salão que dá acesso ao banheiro (onde existe um declive). Nota 10 para o bar!

Pra comer, sugiro os escondidinhos. Pegamos o de filé mignon com catupiry! A carne é maravilhosa, vem muito catupiry e muito molho: nossa, dá fome só de pensar novamente neste prato. Serve duas a três pessoas, e custa R$ 40.

Pra beber, oferecem principalmente chope Brahma e Devassa. O Devassa Bem Loira custa R$ 5,90 e é o mais em conta.

Enfim, um dos bares mais famosos e tradicionais da Aspicuelta! Vale à pena conhecer pra tomar uma cervejinha gelada, assistir aos jogos ou jogar conversa fora!
Frequento o Posto 6 há anos e sempre gostei muito.
A única coisa que nunca curti lá era a lotação. Várias vezes me programei para fazer um happy hour ou tomar um chopp num domingo a tarde lá mas desisti pela fila para conseguir um lugar. Surpreendentemente, no dia do Happy Hour Kekanto o bar estava vazio. Acredito que tenha sido a exceção que confirma a regra.
O Posto 6 ocupa uma das esquinas da Mourato Coelho com a Aspicuelta e adoro assistir jogos de futebol no telão do muro do Patriarca (bar que fica na frente) das mesas que ficam na calçado do Posto 6. Considero uma das melhores mesas de boteco de São Paulo.
A decoração do Posto 6 é inspirada na cultura carioca. Fotos de jogadores de futebol do Rio, peças que lembram as praias, os bares, etc.
O chopp lá é delicioso, sempre abundante e na temperatura certa.
Tudo que comi lá é bom, a polenta frita, os petiscos, o escondidinho.
Os preços são razoáveis.
Difícil é estacionar. O valet é caríssimo e demorado.
De resto um lugar a se conhecer e voltar em São Paulo.
Aqui escrevo sobre experiências pessoais. Não quero que isso se torne um caso São Bento. Isso é o que euzinha vivi.

Meu amigo escolheu o Posto 6 pra nos encontrarmos, e das vezes que passei na região, aquele era um dos bares mais lotados que tinha. Amigos que convidei e não foram até me avisaram pra chegar cedo pra conseguir uma mesa.

Mas a sexta-feira em questão era semi-atipica. Antevéspera de dia das mães, até que o transito dentro da Vila Madá estava bem sossegado (peguei caroninha de carro com a Thais) e o bar em questão estava vazio. Vazio a ponto de podermos escolher em que mesa sentar. Na hora que chegamos isso nem me foi um problema, mas deveria ter desconfiado. Nenhum bar na Vila Madá é tão vazio às 20h de uma sexta!

Sentamos numa mesa na parte de fora esperando que tivesse movimento interessante o suficiente e esperamos meus amigos da roça chegarem. Pedimos uma caipirinha cada uma, que chegou até que bem rápido, e uma porção de frango a passarinho.

A cairpirinha estava bem suave, apesar de ser de Orloff (prefiro Skyy). A minha era, classicamente, claro, de abacaxi e estava bem docinha, no ponto para mim. A da Thais era de limão galego e parecia suquinho, com um leve toque de alcool bem lá no fundo. Ela achou forte, tomou metade e o resto eu tomei.

O frango estava bem feito, a porção era bem servida, mas os pedaços que vieram para nós estavam cheios de ossos. Foi uma certa batalha pra comer a carne. E demorou consideravelmente pra ser servido. Talvez para um hipertenso estivesse meio salgado, mas nada que um copo de refrigerante não resolvesse.

Quando todo mundo tinha chegado, resolvemos pedir outra porção. Nisso, o bar já havia enchido e até as bebidas como chopp e refrigerante estavam demorando consideravelmente mais para serem servidos. Ok, estavamos na calçada e cada pedido demorava uns 2 minutos para ser pedido tamanha nossa distração!

Debatemos que tamanho de porção de picanha na chapa pedir, já que na verdade eu e a Thais estavamos bem satisfeitas e só havia mais 3 pessoas na mesa. Perguntamos ao graçom qual o tamanho e decidimos que uma porção pequena, de R$ 56, serviria. Prestem atenção que ninguém ali tinha idéia que tamanho tinham as porções de lá. Pedimos a pequena com a intenção de completar com outra porção se não matasse a fome da galera. O que não queriamos é pagar muito por uma pirção que fosse sobrar na mesa.

O garçom que nos serviu deixou a chapa na mesa mudo e calado. Inclusive foi meio descuidado e logo que foi embora, a chama se apagou e foi um parto conseguir quem acendesse a chapa novamente.

A porção parecia super bem servida. A mesa do lado, com um casal, pediu a mesma chapa e com isso achei que ambas eram pequenas. Porções de boteco costumam ser bem servidas mesmo. A porção vem com cebola, vinagrete, farofa e pão. Repetimos o pão, pra raspar no molho da carne na chapa.

Quando a conta chegou, notamos que foi cobrado o preço de uma chapa grande de picanha e reclamamos. O gerente, ou supervisor, veio 2 vezes ver o que estava acontecendo na mesa. Uma por causa do açucar, e ele sequer se desculpou, e outra por causa da conta. Umas duas pessoas, garços eu acho, vieram ver o que estava acontecendo e tentaram ver que chapa afinal tinha sido servido para nós. Pedimos muito claramente uma chapa pequena, não tinha erro. Repetimos o pedido para ter certeza. E quando perguntamos o tamanho, o garçom não soube precisar. Não é o cliente que tem que ter idéia do tamanho da porção, é o estabelecimento que tem o dever de informar corretamente seus clientes.

Um dos garçons veio explicar que na cozinha podiam ter se enganado e nos enviado uma chapa grande ao invés da pequena, e que tinhamos comido tudo. Queriam porque queriam nos cobrar a mais e sequer pediram desculpas por terem errado nosso pedido. Além de todas as bebidas terem demorados e seros tratados em nenhuma atençãoe e boa vontade, praticamente culparam a gente pelo erro, que nós é que deveriamos ter nos tocado de que uma picanha pequena não podia ter dado para 5 pessoas. Desculpa, eu pedi claramente uma chapa pequena, eles que quiseram nos enganar, nos fazendo comer uma picanha grande para termos que pagar. Pra mim isso quer dizer só uma coisa: o estabelecimento simplesmente faz o cliente consumir mais do que ele pretende pra extorqui-lo no fim jogando a culpa em nós!
Procurando um lugar para beber e aliviar o calor, acabei encontrando o Posto 6, que fica localizado na rua Aspicuelta. Gostei muito do lugar, ambientado com uma temática que lembra o Rio de Janeiro nos anos 60 e 70 e o respectivo futebol da época. A iluminação é mais baixa e nas paredes existem quadros com caricaturas de jogadores de futebol, alem de camisas de vários times. Curiosidade: Eles desenharam no teto como se alguns jogadores tivessem deixado seu autografo lá, ficou bem bacana. Combinou com o lugar.

Comparando com os bares e restaurantes de Belo Horizonte, ele está no mesmo nível do Albanos.

De acordo com o cardápio, a especialidade da casa é o Chopp, mas entre um Chopp Devassa Bem Loura (R$5,90), um Chopp Brahma (R$6,60) e uma longneck da Devassa (R$6,20), escolhi a longneck pela relação R$/ml.

As opções para petiscar estavam ótimas. Várias opções, todas com um "nome criativo" e de dar agua na boca. Escolhemos a Polenta a moda do Jorge. Este prato consiste em uma porção de polenta frita com um pouco queijo parmesão ralado por cima e molho a bolonhesa para acompanhar. O pedido foi suficiente para servir 3 pessoas (que não estavam com fome, mas estavam com vontade de comer) e custou R$26,00.

O atendimento foi bem ágil e o garçom, apesar de "seco" (não falava muito, não parecia estar bem humorado, etc) foi super prestativo. A cerveja estava sempre bem gelada e a porção veio super bem apresentada e farta.

Recomendo a todos que estiverem em busca de um lugar mais sofisticado para tomar uma cerveja gelada e comer uma boa porção.
O dia tinha sido pesado em Sampa, chovia sem parar e nós estávamos verdes de fome. Pegamos um táxi e pedimos: “toca pra Vila Madalena, por favor”. Paramos na Aspicuelta, uma rua agitada e divertida, cheia de bares. Rumamos pro que mais nos chamou a atenção, o Posto 6.

Ao entrar, fomos desviando de mesa em mesa, até achar a nossa, bem no meio da confusão. De cara, notamos que alguma coisa era diferente por ali. De fato era. O conceito da casa é uma homenagem ao Rio de Janeiro e o bar poderia perfeitamente estar cravado em Copacabana. Pra nossa sorte, não estava.

Muito futebol, muitas fotografias, autógrafos no teto e caricaturas por todo o lado. Cada detalhe merecia uma foto. Uma galera animada, que batia papo, mandava ver no chope e que não estava nem aí pros ponteiros do relógio que se aproximavam da madrugada. Alguns, perdiam a concentração na conversa pra pescar alguma informação relevante no Cine Boteco.

A fome era grande, por isso, nem chegamos a ler todo o cardápio. Pedimos logo uma Carne Seca Desfiada com Mandioquinha Frita. Mais brasileiro impossível. Literalmente devoramos aquela maravilha. A carne seca muito bem temperada fluía em harmonia com o pãozinho que vem junto. O prato foi no ponto para a fome dos dois. O problema foi olhar pra mesa do lado e ficar morrendo de vontade de comer um bocado de carnes na chapa.

Num típico bar carioca, em plena Vila Madalena, tudo que se esperava de nós era beber um belo chope. Mas fomos além. Me encantei com as Caipirinhas com Cachaças Mineiras da Cooperativa da Cachaça. O Diogo topou e cada um mandou ver numa. Bem gelada e carregada no álcool.

No fim da noite, quando o cativante seu Luís começou a nos falar mais sobre os atrativos da casa e seus planos de expansão, ficamos ainda mais a vontade para pedir outra caipira, dessa vez de Sagatiba. Essa foi surpreendente. Era mais leve e saborosa. Delícia!De bucho cheio e reflexos mais lentos, era hora de pegar outro táxi. Dessa vez pra casa. Dormimos feito anjos, sonhando com a hora de volta ao Posto 6.
O posto 6 é um bar tradicional na Vila Madalena, mas acho que perdeu um pouco do seu glamour, já que nas última vezes que estive na região o bar era o que estava menos cheio.

É uma boa opção para quem gosta de sossego, pois tem uma área externa grande que nos dias quentes é bem valorizada. O chopp é bem geladinho e o serviço é bom!

Experimentamos a pizza na chapa que mais me parece uma massa de biscoito do que pizza, mas o sabor da pizza margherita não deixou a desejar.

É bem complicado de encontrar um local para estacionar na vila, mas próximo ao Posto 6 é possível encontrar alguns locais para estacionar na rua se quiser economizar 20 reais que é o preço que os valet tem cobrado.
Exibindo de 1 a 14
Total de opiniões: 23

Nota geral Você conhece o Posto 6? Escreva uma opinião! Dê sua nota!
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)