Le Bon Vivant Bistrô

Endereço: Av Luiz Boiteux Piazza, 2973 , Cachoeira do Bom Jesus - Florianópolis , SC - Brasil - 88054-700

Telefone:

(48) 8835-...

Clique para ver
Categoria:

Restaurantes

  | Rank: 515º de 751
Primeira opinião
Marina Pereira

Como chegar
Favorito
Sou dono
Reportar problema
Escrever opinião
Como chegar - Traçar rota


http://br.kekanto.com/como-chegar/le-bon-vivant-bistro
Notas específicas:
Ambiente
(3)
Comida
(3)
Atendimento
(3)
Bebida
(3)
Custo-benefício
(3)
Dicas
Opiniões
Já há algum tempo o jornalista Zeca Carmargo foi alvo de aplausos e vaias por seu texto para a Folha de São Paulo sobre o preço dos restaurantes, concluindo que a culpa é, principalmente, dos que pagam. Acrescento: a culpa é dos que pagam caram para comer mal. Porque preço não é sinônimo de valor e já paguei cerca de 200 dilmas por um jantar que valeu cada centavo, sem remorso no bolso. Em contrapartida, outro dia uma simples conta de 18 dilmas se mostrou o maior dos roubos. No caso do Le Bon Vivant, ainda que vocês possam considerar que o preço não foi tão caro assim, com certeza o jantar não valia o que foi pago.

A idéia de um bistrô intimista, com capacidade reduzida de pessoas – apenas 4 (quatro) mesas -, pareceu ótima na teoria, mas bastante decepcionante na prática. Muito embora o ambiente seja rico em detalhes, pode-se dizer que pecou pelo excesso, fazendo com que o ambiente pareça ainda menor do que é. Além disso, a iluminação super reduzida, a ponto de uma míope como eu ser obrigada a aproximar-se do prato para definir a cor dos alimentos, tornou o jantar bastante cansativo e, no meu caso, levemente claustrofóbico. Reconheço que, se a comida servida correspondesse à expectativa, provavelmente essas questões seriam ignoradas ou diminuídas suas relevâncias. No dia, contudo, foi mais uma razão para desqualificar o local.

A quantidade de comida servida foi o primeiro fator a ser alvo de críticas. Sei que sou um buchinho furado e o serviço à francesa costuma ser de pequenas porções. Mas, geralmente, estamos falando de diversos serviços, sendo necessária uma porção reduzida para que suportemos a quantidade de pratos. A entrada – no caso para quatro pessoas (34 dilmas) -, exigiu que pedíssemos mais pão, o que, reconheço, foi prontamente viabilizado e sem custo adicional. Mas apesar dos nomes chiques de alguns itens – coq au vin, sopa de pato, legumes ao molho thai, geléia de abacaxi com pimenta e geléia de amora -, nada de extraordinário. Bom, sim. Mas apenas isso. Além disso, o pão, que poderia ter sido feito na casa e ganho pontos por isso, não parecia muito fresco. Cumpre destacar que o couvert simplesmente foi trazido à mesa, sem que tivéssemos solicitado, razão por que acreditamos que não seria cobrado. A inclusão na conta é que nos trouxe a informação do valor.

As bebidas pedidas, tanto a água (3,5 dilmas) como o vinho (cerca de 80 dilmas), chegaram abertas na mesa. Não estou dizendo que, com isso, pretendiam nos ludibriar ou coisa que o valha. Mas nem no boteco ali da esquina a água mineral é aberta longe dos olhos do cliente. E o vinho, por mais que se fizesse necessário o uso do decanter, deveria ter sido mostrado aos clientes. Sequer a garrafa cheguei a ver e, por ser completa ignorante no assunto, só posso dizer que tomei um tinto, que me disse o Chef ser português.

O prato principal ainda estava por vir, então a esperança ainda se fazia presente. Veio coberto por um cloche e talvez por isso a decepção tenha sido ainda maior. Pelo preço de 60 dilmas cada prato, a porção com certeza não valia o preço pago, até porque apenas boa. Nada mais. Poderia eu aqui fazer uma brincadeira com o aumento recente do preço do tomate e imputar ao pobre coitado a culpa pelo custo elevado. Mas os preços dos itens anteriores não me deixam enganá-los. O prato, bacalhau nunca chega, é preparado com bacalhau em lascas, presunto cru, azeitona, salsinha, coentro, cebola caramelizada, batata palha e ovo, tudo regado com azeite de oliva e servido com tomates frescos (duas fatias cortadas ao meio). Mesmo gostando de presunto cru, não entendi muito sua colocação ali, até porque consistia apenas naquele pedaço no canto esquerdo da foto.

Já comi bacalhau em outros lugares, com ingredientes de custo tão elevado quanto os utilizados neste prato, mas com porções muito mais generosas e sabores que me convenceram a voltar ao restaurante. Infelizmente não cheguei nem perto disso na visita ao Le Bon Vivant Bistrot, concluindo que a noite foi cara demais para o oferecido, sendo essa a impressão que mais marcou a noite.

Ressalto, por fim, que essa foi minha experiência e possivelmente não seja compartilhada por outras pessoas, cabendo a cada um visitar o local e tirar suas próprias conclusões. De qualquer modo, não recomendo. Como o valor foi o ponto principal da crítica, não será o caso de retornar para dar uma segunda chance à casa.
Primeira opinião do lugar
Conhecemos o Bistrô através de um site de compras coletivas, onde compramos a oferta com 2 pratos de Bacalhau Nunca Chega + 2 taças de vinho, de R$ 116,00 por R$ 56,00.
Chegamos lá, entramos e um pouco depois uma moça veio nos receber. Nos mostrou a nossa mesa e explicou como funcionava o jantar, onde normalmente eles enviam o cardápio por e-mail, a pessoa escolhe o prato e faz a reserva. Ela nos serviu o vinho, que é escolhido a fim de harmonizar com o prato, e pouco depois nos trouxe o couvert, que estava muito bom! Eram pães servidos com patê de atum, coalhada e geleia de abacaxi com pimenta, e linguiças fritas.
O lugar é bem pequeno, com 3 mesas, 2 delas acomodam 6 pessoas ou mais, e a que sentamos acomodam 4 pessoas. A decoração é feita com objetos antigos, uma graça!
Depois veio o prato principal, que era feito com lascas de bacalhau com presunto cru, azeitonas, salsinha, coentro em folha, cebola caramelizada, batata palha e ovo, regado com azeite de oliva extravirgem e servido com tomates frescos. Super atrativo não!? Mas infelizmente o prato tinha tanta batata palha, mas tanta, que o gosto dela se sobressaía dos demais ingredientes. Mal dava para sentir o gosto do bacalhau, que deveria ser o ingrediente principal, saímos de lá com a sensação de ter comido um pacote inteiro de batata palha cada um. Uma pena...
Quando fomos pagar a conta, pensamos que seria cobrado a água e os 10% da taxa de serviço, mas eles cobraram também o couvert, que não foi nem perguntado se queríamos, simplesmente foi servido e nem nos avisou que seria cobrado a parte. E além de tudo isso, eles não aceitavam cartões, o que é um absurdo em qualquer estabelecimento hoje em dia. Sorte que tínhamos um pouco de dinheiro na carteira e deu pra cobrir a conta.
Deu para perceber que a moça que nos recebeu é quem faz tudo, recepciona, cozinha, serve e cobra. Não tinha mais nenhum funcionário lá. Ela era muito simpática e prestativa, mas infelizmente a comida, que é o que mais importa, deixou a desejar...

Este Bistrô fica anexo a um Hotel na praia da Cachoeira do Bom Jesus. O local em si é muito legal! A decoração é feita à base de objetos antigos espalhados por todos os lados, bem legal!!! São poucas mesas, apenas 3. Por isso normalmente eles só atendem com agendamento mesmo.

Experimentei um um prato chamado "Bacalhau Nunca Chega", era feitos de lascas de bacalhau com presunto cru, azeitonas, salsinha, coentro em folha, cebola caramelizada, batata palha e ovo, regado com azeite de oliva extravirgem e servido com tomates frescos.
Pela descrição parecia ser ótimo, mas foi uma decepção! Primeiro que veio pouquíssimas lascas de bacalhau no meu prato e ainda por cima veio carregado de bata palha, roubando todo o sabor do prato! Foi uma péssima escolha do Chef colocar batata palha neste prato, deveria ter usado batatas cortadas em lascas e assadas (como nas batatas suíças).
Pelo menos o couvert antes desse prato foi bom, pães e torradas servidos com patê de atum, coalhada e geleia de abacaxi com pimenta, e linguiças fritas.

O custo benefício deste Bistrô, definitivamente, não vale a pena! Este prato que comemos para duas pessoas e mais duas taças de vinho sairiam no preço normal por R$116,00. (o couvert foi cobrado à parte.)

Apesar do lugar ser bem legal, não recomendo a comida...
Ontem estivemos no restaurante Le Bon Vivant Bistro (06/09/2013) com um cupom do Clube do Desconto . O lugar apesar de minúsculo é um charme, o atendimento in loco foi bom (digo isso, pois quando tentei agendar pelo fone que estava na promoção, fiz várias tentativas de ligações e não fui atendida, só consegui marcar a reserva através de um atendente que trabalha no hotel e não tem nada a ver com o Bistrô . Quando chegamos ao local a proprietária pediu desculpas por não retornar a ligação, mas que não estava conseguindo nos encaixar por conta de outra promoção de fondue que ela havia lançado no Groupon, oras retornar uma ligação é elegante e não custa tanto assim). Decepcionante mesmo foi o prato adquirido , Bacalhau a Zé do Pipo , que deveria se chamar Purê de batatas com cebolas, pois até hoje estou com o paladar da cebola, e lascas de bacalhau consegui achar umas tres tirinhas... Felizmente a quantidade servida foi tão pequena que não deu para fazer maiores estragos. O valor pago pelo prato de R$ 124,00 por R$ 50,00, é uma exorbitância pelo que foi apresentado. Não recomendo este restaurante.
Estive pela 1ª vez no dia 1º/02/2014,pelo groupon, o prato era segundo nossa opção lombo de bacalhau, fiquei preocupada,pois tinha lido vários comentários negativos sobre ele.Qual não foi a minha surpresa ao ter um lugar a luz de velas,muito romântico com atendimento nota 10 e um bacalhau saborosíssimo. Somente uma coisa me chamou atenção, eles não tem
um menu impresso com o preço e valor das bebidas.Como não tomamos vinho por motivo de
saúde, não sei se teriam cartela de vinhos com os preços. Somente por isso não assinalei as
5 estrelas. Como não gosto de injustiças, deixo a minha opinião. Heloisa Simoes

Nota geral Você conhece o Le Bon Vivant Bistrô? Escreva uma opinião! Dê sua nota!
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota
Título da opinião

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)