Clos de Tapas

Endereço: Rua Domingos Fernandes, 548 , Moema - São Paulo , SP - Brasil

Telefone:

11 3045-22...

Clique para ver
Categoria:

Restaurantes Espanhol

  | Rank: 6º de 23
Preço por pessoa
$$$$ (Mais que R$100)

Bom para
Encontros românticos, Vinho

Primeira opinião
Joao Iker
Formas de pagamento
Crédito:
Débito:

cash, credit card, debit card
Horário de funcionamento
Ter.
12h - 15h e 19:30 - 23h
Qua.
12h - 15h e 19:30 - 23h
Qui.
12h - 15h e 19:30 - 23h
Sex.
12h - 15h e 19:30 - 23:59
Sáb.
13h - 16h e 19:30 - 23:59


Detalhes
  • Acesso para deficientes
  • Aceita reservas
  • 56 lugares
  • Wi-fi
  • Estacionamento: R$ 15.


Como chegar
Favorito
Reportar problema
Escrever opinião
Como chegar - Traçar rota


http://br.kekanto.com/como-chegar/clos-de-tapas
Notas específicas:
Ambiente
(11)
Comida
(11)
Atendimento
(11)
Bebida
(9)
Custo-benefício
(10)
Dicas Ver mais
Opiniões
Finalmente, conheci o Clos de Tapas. Já havia ensaiado a visita várias vezes, porém acabava desistindo por causa dos exorbitantes preços.

Portanto, encontrei a oportunidade no São Paulo Restaurant Week e fiquei ainda mais empolgada quando vi em uma matéria da Veja São Paulo, que citava esse restaurante como o melhor custoXbenefício do evento, uma vez que o Menu mais barato em dias comuns é R$101,00 e o Menu Restaurant Week é apenas R$37,90, ou seja, uma economia de R$63,10 e as opções eram as seguintes:
Entrada - Mix de Folhas com queijo de Cabra e Vinagrete de Frutos Secos ou Ovo Trufado com Polenta;
Prato Principal - Porco Preto com Purê de batata e Chutney de Maça ou Peixe Crocante com Arroz Cremoso e Limão-siciliano;
sobremesa - Extrato de chocolate e Cupuaçu ou Compota de Maça.

De ambiente elegante a funcionários simpáticos, o Clos de Tapas atendeu todas as minhas expectativas: restaurante agradável, decoração refinada e excelente comida. Além do menu, pedimos um drink para experimentarmos e simplesmente amamos. Leve, refrescante, saborosíssimo, além de lindo, o Aperol Spritz (Bitter Aperol, espumante, água gaseificada, gotas de limão siciliano e rodelas de tangerina) era caro (R$23), mas valeu muito a pena e a pedida.

Aliás, falando em bebidas, a carta de vinhos é um iPad. O que achei uma ideia atual, moderna e bem charmosa. Uma pena não ter sangria no cardápio, fato que achei bastante estranho, já que trata-se de uma casa tipicamente espanhola.

Agora falando especificamente do menu, pedimos de entrada o ovo e estava divino, fazia tempo que não comia uma entrada tão boa quanto essa.

No prato principal, o namorado ficou com o peixe e eu com o porco. Ambos estavam gostosos, apenas achei o porco fibroso demais para o meu gosto.

Na sobremesa, os dois pediram o Extrato de Cupuaçu com Chocolate. Uma sobremesa contemporânea, bonita e gostosa, todavia muito, muito micro.

Por fim, até o café tem um toque especial e acompanha uma trufinha deliciosa.

Em suma, foi um almoço demasiadamente aprazível e, certamente, voltarei ao local em outras oportunidades, com todo prazer e deveras entusiasta!
Restaurante mediterrâneo interessante. Aprecie as entradas cheias de enchidos e com sabores super tradicionais. O cardápio tem boas opções de carnes, massas e frutos do mar, porém eles possuem o hábito de não colocar todos os ingredientes do prato do cardápio, por isso se for alérgico a alguma coisa, questione sempre! De resto, ambiente agradável, boa carta de vinhos, porém pesa um pouco no bolso. Enjoy it!
Fomos comemorar aniversario de casamento ontem (31/mar/13) : QUE DECEPÇAO!

Couvert péssimo: pão com manteiga e legumes !

Entrada: meu marido pediu 'Carvão de Bacalhau' R$35,20 - achou tão ruim o creme negro que envolve o peixe, que ele ficou enjoado. Teve que pedir uma agua tonica (que nao tinha) para melhorar o estomago. Ainda bem que não passava de umas 30 grs! rs
Eu pedi 'Robalo com Aromas de Madeira e Mostarda" R$33 - estava sem graça, pouco tempero e não consegui sentir os aromas citados. Era um peixinho branco assado e ponto.

Prato principal: - eu pedi arroz de cogumelos- meu deus, meu sobrinho faz um risoto melhor! E a quantidade era vergonhosamente pequena.
Meu marido pediu 'Tentáculos de Polvo"; vieram especificamente 2 , só 2 tentáculos que estavam bons, com legumes. Ele passou fome, mas como detestou a comida acabou sendo melhor assim.
Nao me lembro o preço , mas os pratos sao em torno de R$80.

Depois da esperiencia ruim, desistimos de pedir sobremesa, com receio que seguisse a qualidade e sabor dos demais pratos.

Ponto positivo: apresentação dos pratos é linda - Nota 10
Ponto(s) negativo(s): não se preocupam com o sabor, só com a aparencia: Sabor 0 !
Quantidade (me desculpem plagear algum outro colaborador ) è de deixar qualquer frances com muita fome!(saímos de lá e fomos comer um sanduiche !)

Custo X Benefício: Lastimável - pagamos R$400 o casal para comer essa catástrofe!
Minha interminável lista de restaurantes que desejo conhecer em São Paulo adquiriu recentemente o Clos de Tapas. Dei um pulo lá e claro, fui matar minha curiosidade.

Chegamos quase 15h e não havia uma mesa ocupada. Estranho, muito estranho, não entendi nada. Mas logo em seguida pessoas começaram a chegar e umas seis ou sete mesas foram ocupadas. O ambiente é lindo, pé direito nas alturas como eu adoro, parede de pedras, móveis com linhas retas, um bar para espera na parte superior, adega suspensa com chão de vidro (que eu entrei e morri de medo! Haha) … chique e sem afetação.

Não vá esperando um bar de tapas. Clos de Tapas está muito além disso. Os pratos em pequenas porções são altamente elaborados, intrigantes e sofisticados, aliando técnicas de envergadura respeitável com clara influência espanhola a ingredientes nacionais, como jiló, pupunha e melaço…

Tudo começou com uma boa baguete fresquinha e crocante, manteiguinha de amburana (semente do Amazonas) com castanha do pará e uma compota da casa de picles, com legumes cortados em formato fofo de flor.

A cozinha espanhola passeia por entre mares e montanhas, é rica em sua diversidade de vegetais, carnes e crustáceos. Eu, boa de garfo e sempre curiosa em experimentar, não fujo da responsabilidade e me joguei no menu degustação às escuras, ansiosa para ver o que vinha pela frente.

massa de pastel frita, pastinha de requeijão com ervas e farofinha de calabresa, para montar como uma mini pizza, do couvert.

De forma geral eu adorei a experiência, mesmo que alguns elementos não tenham agradado meu paladar, o que não depõe em nada contra o restaurante, porque técnica, criatividade, dedicação e sabor não levaram uma falta sequer. Pura questão de gosto e isso não se discute, certo?

Passaram pela mesa uma porção de queijinhos coalho com coberturas diversas, cada uma representando um sabor: doce (cápsulas de melaço), azedo (espuma de limão), amargo (mousse de jiló) e picante (pimenta de bode).

Ceviche de robalo com sopa fria de manjericão (roxa) que mudava de cor…  Sim, mudava de cor, sabe lá Deus como. Penso que deve ser a química do caldo com o ácido do limào, sei lá…

Pupunha com ovas de salmão e molho de anis. Foi o prato que não gostei, não gosto de anis nem de ovas de salmão, mas e daí, provei assim mesmo, porque até hoje foi assim, mas quem sabe eu não mudo minha opinião em algum momento? Assim como foi com o sashimi no Viajante…

Depois um siri empanado acompanhado de uma massinha em forma de arroz e um pó que dava liga que não saquei qual era e esqueci de perguntar….. mistérios das “técnicas moleculares”. Só sei que estava bem bom.

Na sequência, para mim, leitão ao leite mara e para o Fábio, carne com pasta de alho e alho fritinho, delícia cremosa.

Finalizamos com um potinho que representa um vaso de flores, com camadas que intercalam chocolate em várias texturas, granola e raspas de limão. Por cima florzinhas que selam a delicadeza da sobremesa, nem tão doce, nem tão amarga.

Ao final dei uma volta para conhecer a parte superior. A parte brasileira da casa, a chef Ligia Karazawa foi até a mesa nos cumprimentar e conversamos um pouco. Ela, junto com o chef espanhol Raúl Jimenez, são os responsáveis pela arte criada ali. Ligia me contou que morou 12 anos na Espanha. Nesse período passou por vários restaurantes ícones, como El Bulli, Mugaritz e Can Fabes e El Celler de Can Roca, a qual Raúl também fez escola. Okay, já podem falar Uauuuuu!


O preço não é barato, R$ 136 para o menu de seis serviços e (acho) R$ 186 para o de oito, sem bebidas e sem 10%. Mas técnica precisa, qualidade e ótimo atendimento têm seu preço. Para o cuidado, dedicação e carinho ali aplicados… nem o Mastercard resolve.
Uma das melhores experiência que tive neste último ano! Com intenção de conhecer um restaurante de tapas gostoso encontrei esta preciosidade no Kekanto e resolvi dar uma chance. Imaginei que o preço sairia caro quando vi que ficava na VNC do lado do Kinoshita, mas a vontade de conhecer já era grande e resolvi encarar.

O ambiente é animal com o pé direito alto, mesas com sofás na parede, iluminação bonita e fachada que chama muita atenção. Não é nenhuma surpresa pois o sócio também participou do DOM e Kinoshita.

Começamos com uma Sangria Clos (R$ 49,50) que serve duas taças com lichias frescas picadas, grapefruit, açaí, calda de maracujá e é adicionado na mesa um vinho tinto ou branco, que no nosso caso era um bordeux francês. Ela é deliciosa e super refrescante, além de entreter você enquanto espera os outros pratos (você pode ficar igual uma criança caçando as frutas e comendo).

O menu deles tem poucas opções e possivelmente eles alteram bastante pois a maioria dos pratos descritos nas opiniões daqui não tinham. Comecei com uma tapa fria de Ostras ao sabaione de abóbora (R$ 18,20) que vem em um prato super bonito com cores do Brasil e três ostras gigantes.

Para continuar um robalo com aromas de madeira e mostarda (R$ 33,00) que estava super suculento, suave e gostoso! Certamente um dos mais gostosos que comi.

Para finalizar os pratos quentes, pedi os tentáculos de polvo grelhados com frutos da terra (R$ 51,35), o melhor prato que comi no ano (2012) e com uma harmonia entre ingredientes que achei que iam ficar estranhos, mas me surpreenderam. Este prato é uma obra de arte perfeita com todos os ingredientes super saborosos, incluindo o polvo super macio, a abobrinha, o tomatinho delicioso e um creme verde que vem embaixo que combinou bem com o prato.

De sobremesa pedi a "Caipirinha", uma sobremesa que é uma laranjinha kinkan recheada com caldo de cana meio congelado. Achei apenas "ok". Também experimentei "A Escada" que é uma sobremesa que vem com um chocolate em forma de escada, igual ao do próprio estabelecimento.
Fomos almoçar num sábado. Menu executivo 65,00 com entrada, prato principal e sobremesa. O ambiente é lindo, amplo. O atendimento é impecável do somelier e dos garçons. Pratos servidos na medida, nem muito pouco nem exagerado. Sabores muito gostosos, mas nada que surpreenda demais já que o restaurante é considerado refinado, esperei um pouco mais. a chef Ligia ajudou a trazer os últimos pratos e foi muito simpática. A equipe da cozinha está de parabéns! Vale a pena conhecer e tenho vontade de voltar já que eles renovam sempre o cardápio e o atendimento é muito bom, além de lindo o lugar. Ah! experimente a cerveja espanhola Estrellas, é uma delicia! Cara, 35,00 a garrafa, mas vale a pena!
Quinta feira passada fui conhecer o Clos de Tapas, mais na tentativa de me refugiar de uma semana conturbada e sem graça. Ainda bem que as soluções uma hora aparecem. Algumas mulheres se sentem restabelecidas após uma tarde inteira de compras no shopping, outras gastando tempo nos salões cuidando da beleza e, outras ainda, investindo em horas na academia. Confesso que todos esses tipos de terapia funcionam comigo, como toda mulher. Mas se tem algo pra melhorar, é sair pra esquecer do caos e me sentar à mesa pra comer bem e tranquila. Não é a toa que o nome do blog é Conversas de Gordinhas….

O Clos de Tapas me despertou interesse para conhecer, um restaurante com um conceito diferente de servir tapas, com influências da gastronomia molecular e utilizando dos ingredientes locais para criar pratos diferenciados, denotando assim a brasilidade com feição contemporânea.

Para falar a verdade, não sei se categorizaria como tapas, mas explicaria como se fossem pratos em suas porções bem reduzidas. O ambiente é moderno, vistoso, com pé-direito alto e disposto por cores que parecem concordar entre si. Hora ou outra eu via os dois chefs entrando e saindo da cozinha, super receptivos e atentos a tudo.

Entre as opções, podia-se escolher pelo menu degustação de 6 (R$136,00 cada pessoa) ou de 9 pratos (R$185,00 cada pessoa) ou apenas selecionar os pratos à parte. Eu preferi escolher os pratos que gostaria de provar aquele dia, ainda mais porque a fome não era tanta e não tive a coragem de encarar uma sequência de 6 pratos, por menores que fossem. Querem saber? Mesmo assim, acabamos pedindo quase o número equivalente de pratos. E outra coisa… eu ”escolhi” naquelas, né.

O garçom nos dava sugestões, o que é ótimo pra quem conhece a casa pela primeira vez; mas teimar (indiretamente) pela escolha do prato é chato. É galera, se tenho um deifeito, é que não gosto que escolham o prato por mim quando vou a um restaurante. Pior ainda quando, na mesa, tem aquele homem do casal que fala “garçom, pra mim vai ser peixe e pra ela um coq au vin” e acha que está arrasando. Tá nada… (para mais outras filosofias, acessem descobrindoamenteocultadaesther.com…)

Pra começar, como couvert, conserva caseira de legumes, pães diversos quentinhos e manteiga temperada com castanha do pará e umburana…. maaaas, não sabia que existia, ainda, a segunda etapa do couvert: crocantes de arroz, com caldo de feijão e farofa de couve. Gostosinho.

Uma entrada para dividir, Queijo de coalho (R$19,00), com 4 sequências de sabores: doce (abóbora), ácido (maracujá), amargo (jiló) e picante (pimenta bode). Foi interessante perceber a combinação dos sabores partindo da mesma base.

O Tronco (R$ 19,00), com folhas, cogumelos, tubérculos e a casca da mandioca frita. Gostei e achei que houve uma boa combinação de texturas nesse prato, bem delicado.

O “aroma do bosque” é só pra entrar no clima do mato..

Robalo em ceviche (R$ 22,00) e sua sopa fria ao manjericão. Estava gostosa e suave, mas preferiria o peixe menos morno.

De pratos quentes, Cherne com gnocchi de banana da terra e molho de moqueca (R$30,00) e o Arroz caldoso de pato (R$27,00). Gostei do gnocchi de banana. O arroz, apesar de um pouco doce, estava bom. Para ambos os pratos, eu achei que as porções são ideais, pois, se fossem maiores, talvez seriam enjoativos.

De sobremesa, Gold Label e Chocolate (R$29,00) -harmonizado com J.W Gold Label, que mal cheguei a provar e já não gostei, e Iceberg (R$16,50) de cambuci, sorvete de graviola e cítricos, que também não me agradou muito, pois apesar do jogo de texturas, talvez o amargor tenha mascarado os outros sabores bem mais brandos. (reparem na foto logo abaixo..talvez eu não tenha pegado o melhor ângulo para fotografar, mas…alguém consegue visualizar um “dedo” aí?)

O melhor da noite foi…o vinho de sobremesa Tokaji Aszú, como cortesia da casa, servido pelo simpatissíssimo sommelier da casa, Charles, que teve o prazer de nos contar uma breve história do vinho e suas características. A simples dose, na temperatura ideal, parecia ser o mel fresco em formato de vinho…realmente muito bom!

A casa também serve ótimos drinks do bar, no andar de cima. Cheguei a tomar um drink, mas agora não lembro do nome, só lembro que gostei! =p

Foi um restaurante interessante pra se conhecer… mas nada que seja tão memorável..
O restauranteur é Marcelo Fernandes, sócio do Kinoshita e foi um dos fundadores do D.O.M. junto com Atala. A decoração do restaurante é linda. A proposta é servir tapas, não necessariamente da culinária espanhola, mas pequenas porções de uma gastronomia sofisticada. Os chefs Ligia Karazawa e Raul Jiménez, brasileira e espanhol respectivamente, trabalharam em diversos restaurantes estrelados na Europa, e trabalham juntos a 5 anos

Quando chegamos, fomos ao bar no mezanino, eu pedi um lotus martini (Belvedere Orange, creme de lichia, grapefruit fresco, finalizado com calda de açúcar mascavo com framboesa). E a Juli pediu um apple mojito (Bacardi Big Apple rum, purê natural de maça verde, suco de frutas cítricas, calda de hortelã, finalizado com Chandon Brut) muito bom, achei esse o melhor. Depois eu pedi um outro drink que não estava no cardápio, mas eu não entendi o nome, era com gin e pompelmo

A primeira parte do couvert era uma conserva de legumes caseira e pães diversos com manteiga de castanha do Pará. A Segunda parte, mini discos de massa de pastel, farofa de calabresa e pasta de requeijão (com alho ou ervas). Amei, eu poderia comer um prato só desse

Achei esse prato interessantíssimo, caixa de batatas (batatas com creme de batatas, gengibre e cogumelo), achei de enorme criatividade, eu só dispenso a casca da batata

Eu pedi robalo em ceviche e sua sopa fria ao manjericão, muito bom. A Juli pediu sôbas frios de alho negro com shitakis agridoce e cebolinha. Excelente, o molho estava fantástico

Eu pedi também mexilhão “enlatado” com chips de cará, uma delícia!. Para a Juli contra filé à Morais, gel de alho e farinha de alguma coisa

De sobremesa estratos de chocolate, super interessante. Para acompanhar um vinho do porto de sobremesa, por conta da casa. Acompanhando o cafézinho, chocolate branco, amargo e madeleine

Adorei, a comida e o atendimento foram excelentes! Tudo pensado nos mínimos detalhes e a apresentação é impecável
HORRIVEL! Decepçao total desde o momento que sentei na mesa e optamos por um vinho francês já que a carta de vinhos Espanhois quase não tinha opcoes. O sommelier praticamente nos obrigou a trocar por um vinho Espanhol que segundo ele era fenomenal,entao optamos por trocar e não era nada daquilo que ele havia. Decepçao total,garçons sem a menos experiencia,pareciam estar perdidos,metri antipático e parecía estar irritado e sem paciencia,comida HORRIVEL. Resumindo,vinho ruim,comida ruim(famosa caldeirada de pescados que mais parecia comida de passarinho) e sem sabor e atendimento pèssimo. Estou acostumada com a comida española porque vivo lá e se comí muuuuuuuito bem,nada a ver com este restaurante que até agora na entendí o porque da fama,nada merecido porque sai do restaurante diretamente para uma Pizzaria e acordei com uma tremenda dor de cabeça. Paguei caro e nao comí,nao gostei e ainda perdi o domingo com uma tremenda dor de cabeça.
As opiniões da Tatiana, Esther e Karine se completam!!! Não tem como escrever muito mais. O Clos de Tapas é um excelente restaurante para quem quer apreciar novos sabores, degustar diversos "pequenos pratos" com diversas características. Concordo que o preço não é muito atrativo, também o menu degustação no jantar, mas para aqueles que tem curiosidade, existe a opção do menu executivo nos almoços durante a semana que sai por R$ 48,00.
Lugar maravilhoso e sofisticado.
Uma experiência gastronômica do que simplesmente uma refeição, se você for de comer muito e chegar com muita fome, sairá com fome ou com uma conta bem gorda, mas vale muito a pena, pois quem quer se matar de comer que vá a um rodízio.
Este é o tipo de lugar que, qualquer coisa que pedir do cardápio será surpreendente, seja pelo sabor, seja pelo preparo ou seja pelo ritual que acompanha o prato.
Lugar fantástico para sair da rotina dos restaurantes de sempre, quem quer sentir um pouco de como foi o El Bulli aqui em São Paulo, este é um bom exemplo.
O atendimento é muito bom e muito zen também, os garçons falam de uma forma tão calma e explicativa que você faz uma yoga mental.
Exibindo de 1 a 14
Total de opiniões: 21

Nota geral Você conhece o Clos de Tapas? Escreva uma opinião! Dê sua nota!
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota
Título da opinião

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)