A Casa do Churro

Endereço: Rua Rodrigues Barbosa, 232 , Tatuapé - São Paulo , SP - Brasil - 03334-040

Telefone:

11 2671-71...

Clique para ver
Categoria:

Doceria

  | Rank: 59º de 799

A Casa do churro é a casa da Familia Farre e oferecem conceito inovador em churros e maçã do amor. 

Preço por pessoa
$$$$ (De R$16 até R$25)
Bom para
Ir com crianças, Casais, Gastar pouco
Horário de funcionamento
Seg.
15h - 22h
Ter.
15h - 22h
Qua.
15h - 22h
Qui.
15h - 22h
Sex.
15h - 23h
Sáb.
11h - 23h
Dom.
11h - 23h

cash
Primeira opinião
Pedro Paulo de Ol...
Detalhes
  • Mesas ao ar livre
  • Faz entregas

Como chegar
Salvar favorito
Reportar problema
Sou dono
Escrever opinião
Como chegar - Traçar rota

  • Lugares parecidos
  • Contato
  • Cadastro

http://br.kekanto.com/como-chegar/a-casa-do-churro
Notas específicas:
Ambiente
(14)
Comida
(14)
Atendimento
(16)
Bebida
(10)
Custo-benefício
(14)
Dicas
Churros
Pedro P.
O churro Bombom (R$ 7) costuma atrair a curiosidade por ser banhado com chocolate. No entanto, é levado à geladeira para a cobertura ganhar consistência. Como resultado, a massa fica seca. Prefira os churros fritos na hora.
Débora C.
Coma na loja, quentinho, feito na hora, bem mais leve que os churros que você encontra por aí.
Pedro S.
Churro de catupiry com goiabada e maçã do amor
rafael a.
Tem mesas do lado de fora. Em determinados horários fica cheio, tipo após as 17:30hs de um domingo.
Cristiane S.
Ver mais
Opiniões
Esse lugar fez parte da minha infância e adolescência.
Lembro de quando ele era uma simples portinhola no estacionamento de uma casa quase no final da Rua Rodrigues Barbosa, mesma rua que ele está localizado atualmente.

Adicionalmente lembro da simplicidade do lugar, que tinha um "Q" de "lugar de interior" da simpatia dos donos e do preço justo, o churros simples custava 1,50 e o "negritos" o preferido da criançada curava 3,00, lembro que muitas vezes esperava o dinheiro de outro churros simples que alguém da minha família me dava para poder comprar o negrito! A roda de churros recheada, o produto mais caro da casa custava 18,00.

Nesse tempo muita coisa mudou, a Casa de Churros, apesar de continuar na mesma rua trocou de lugar para a esquina, abriu outra filial da Mooca, ficou famosa, pois os donos são da família espanhola que se dizem inventores da tal maçã do amor e do Churros em roda e o Churros simples subiu de 1,50 para 6,00 e o negritos de 3,00 Para 9,50, roubo na minha opinião ! O tamanho dos churros diminui e eu sei que hoje na modalidade de churros simples eles só adicionaram mais um sabor que é o de banana que eu experimentei no sábado passado e gostei muito , apesar de ficar contrariada com o tamanho mini e o preço caro !

A Dona do estabelecimento já não distribui mais os sorrisos e simpatia de antes e nesse dia que eu fui estava se queixando do roubo de duas cadeiras da parte externa do churros. Apesar do preço eles não investiram em segurança ou um ambiente melhor , pois apesar da simplicidade lugar já foi assaltado diversas vezes. Outra coisa ruim é que eles só aceitam dinheiro. Cartão de crédito ou débito pode esquecer !

Posso falar de todos os produtos com propriedade pois já Provei todos. O churros em roda é uma boa pedida para levar para toda família. O churros simples é delicioso e o negrito/branquito. Já foi bem melhor. Da ultima vez que provei achei o chocolate com gosto de chocolate barato e de má qualidade , daqueles que tem gordura hidrogenada pra chuchu!

No mais se você ainda não conhece vale a pena conferir, pois é um dos lugares mais tradicionais do Tatuapé, porém fico com uma pontada de desapontamento ao saber que ao invés de melhorar e evoluir o estabelecimento bacana da minha infância se não é mais e não se tornou algo tão bacana como poderia ser. A casa do churros pode e poderia ser melhor!

O típico churros espanhol! Muito gostoso, porém achei muito caro. Estava acostumado com churros simples de bairro por R$ 2,50 e ai um churros "normal" da Casa do Churro custa quase R$ 10,00. O famoso Churro em Roda chega perto da casa dos R$ 50,00.

Até entendo que ele sirva várias pessoas, mas ainda assim achei bem caro.
O ambiente é simples e por ser uma empresa familiar o tratamento que recebi, inclusive do próprio dono, foi muito bom. A higiene é outro ponto que transparece na conduta dos funcionários.
Eu não moro na leste, mas fui nessa casa do churros. Era um dia chuvoso, então típico para um churros. Achei legal pela diversidade dos churros que tem. Tem um que eles colocam dentro de uma embalagem de pizza ele pega toda a embalagem, vem enrolado e com o recheio por cima de doce de leite, chocolate, etc. Tem churros salgados. Eu nunca provei os salgado pois pra mim churros tem que ser doce e o tradicional brasileiro, com o recheio no meio. Custa R$6,00 o tradicional, já o restante os preços variam de acordo com o recheio, se for pedir com sorvete, ou o churros bombom, etc. Vale a pena. Mas como somos diferentes e cada um tem um gosto, achei ele bom, mas não tão melhor do que já comi em outros lugares.
Lugar incrível! Conheci por acaso, procurando algum lugarzinho vazio e barato para levar a namorada no dia dos namorados!
Tive uma ótima surpresa ao perceber que a casa é histórica e que a família foi a primeira a trazer o churros ao brasil e também por terem a patente da maçã do amor na parede.
O lugar tem uma pegada bem simples e parece mais uma pequena lanchonete de bairro, mas os churros e tudo mais o que tem lá para vender é delicioso.
Churros não é grande coisa...pela propaganda esperava mais...vc ve que a massa do churros tem muita farinha, ficando pesada, fica muito dura a casquinha...se pedir o churros salgado é bom..o churros lambuzado..que vem com 3 bolas de sorvete...o sorvete é bom e mata o churros que vem por baixo..sai de lá parecendo um churros gigante..cheiro de fritura da cabeça aos pés..poderiam por um exaustor mais potente pelo menos..e o preço é muito alto pra qualidade que oferecem...a roda $55 o churro salgado $9 e o churros normal $6...desculpem, mas prefiro o churros mossoro que fica na ezequiel freire...não menosprezo a historia do local..mas talvez lá atras o churros tenha sido o melhor hj em dia deixa muito a desejar...eu como de tudo e sou exigente em relação a sabor e textura...então desculpe mas não gostei..

Já foi melhor!

O churros já foi bem crocante por fora e macio por dentro, hoje nas últimas vezes que estive por lá era um saco de óleo, quase intragável!

Sem contar que a educação tá sendo coisa rara por lá tambem... se voce trabalha com público voce tem que atender bem! Se o cliente pede pra viagem é problema dele se vai chegar lá na casa dele inteiro ou não!!
Uma senhora pediu um churro com o topo de chantilly pra viagem e o 'senhorzinho dono do local' falou bem alto para a atendente que estava ensacando o churro "que ignorancia, tanto trabalho pra estragar pedindo pra viagem!!!!!"
Que ele tem a ver com isso?? Ele e todos os demais estão ali pra servir, e bem, já que ninguem está levando nada de graça dalí... ora que falta de educação..como se não bastasse, outra moça que pediu no balcão pra trocar o recheio de bejinho por o beijinho light, tambem levou outra resposta atravessada do mesmo senhor dizendo que se ela não sabia ler pois os preços eram diferentes....

É de chorar né, gente?? Tamanha falta de educação... Lamentável...Todos que estavam comigo no dia se entreolharam e balançaram a cabeça com tamanha falta de postura.

O jeito é pegar um churros de roda, pedir bem sequinho, sem nada por cima e dar o fora rapidinho, caso vc queira muito comer churros.
“Todo mundo gosta de churros”. Assim, o Sr. Antonio Farré Martinez resume parte da razão do sucesso de sua Casa do Churro. Mas só uma parte.
Ele é o filho caçula da família Farré, que imigrou inteira da Espanha para o Brasil em 1954 para fazer história. Uma história que começa nos próprios anos 50, quando, para aumentar a renda da família, Antonio e seus pais começaram a vender doces em parques e grandes eventos de São Paulo. E como por aqui havia uma razoável fartura de maçãs vindas da Argentina, D. Consuelo, mãe de Antonio, criou um doce com a fruta envolvida em uma calda vermelha cristalizada, que logo chamou a atenção e caiu no gosto do público.
Com o sucesso, era preciso batizar o doce, e a família convocou uma reunião para escolher o nome: maçã caramelada, doce cristalizado... O debate seguiu noite adentro, até que o Sr. José Maria, o pai dos meninos, se cansou e decretou: “Põe logo ‘Maçã do Amor’ e vamos dormir!” E, por esse mesmo nome (até patenteado, para quem duvidar), o fruto é hoje conhecido praticamente no mundo inteiro.
Mesmo com o sucesso da Maçã do Amor, a renda ainda não era suficiente para fazer o negócio crescer. E a família resolveu então apresentar aos brasileiros o churro em roda.
O churro é um doce tradicional espanhol, consumido diariamente no desjejum, normalmente acompanhado de café com leite ou chocolate espesso. Ele é feito com massa a base de farinha de trigo e água, em formato cilíndrico e frito em óleo vegetal. Seu preparo é feito com uma ferramenta na qual a massa fica armazenada e depois prensada através de um dispositivo de pressão semelhante a uma manivela, que lhe confere o aspecto estriado com um canal central.
Sendo o churro um alimento de origem espanhola, ele é muito comum nos países latino-americanos, como o México e a Argentina. Porém, tanto nestes países quanto na Espanha, ele é consumido sem recheio. E é aí que começa a segunda parte da história da família Farré.
Empenhada na venda de seu novo produto, a família do Sr. Antonio montou, em 1974, a primeira Casa do Churro, localizada na avenida São João, no centro de Sampa. Daí, surgiu o convite, vindo do também espanhol Sr. Ramon, gerente das Lojas Brasileiras, para que o churro fosse vendido na porta da loja, na Rua Direita. O churro em roda passou a ser vendido em pedaços, como todos o conhecem, e logo se tornou um sucesso.
Foi nesta ocasião que surgiu entre os irmãos a idéia de rechear o churro com algum tipo de doce, como uma alternativa para o cliente. E com ela, a criação da engenhoca com o tubinho que derrama o recheio dentro do churro.
O sucesso do primeiro churro recheado do mundo, feito com doce de leite, foi tão grande que logo em seguida surgiram outros recheios e outros formatos. O produto passou a ser vendido em parques e grandes eventos como a Fenit e a UD, e a família Farré chegou a vender até 6 mil churros por dia!
Como em qualquer novo mercado, a concorrência surgiu, cresceu e tornou as vendas menos compensadoras. Mas como ninguém deixou de gostar de churros, o comércio da família apenas se mudou do centro. Primeiro, em 1992, para a garagem da casa da família e depois, em 2001, para o local onde se encontra até hoje.
Quem for visitar a Casa do Churro vai encontrar um local simples, com ares de sorveteria de interior, instalado com mesinhas de plástico em uma rua escondida no Tatuapé. Encontrará também várias opções de churro de roda, que segue sendo a estrela da casa. Entre elas os churros de chocolate, Romeu e Julieta ou doce de leite. Descobrirá que existem churros salgados, como os de mussarela com tomate seco, os de frango e os de bacalhau. E se surpreenderá ao saber que existe churro diet – não porque o objetivo seja engordar menos, já que caloria é um assunto proibido no local, mas porque há clientes diabéticos!
E conhecerá, sobretudo, um lugar agradável e incrivelmente tranquilo, freqüentado por famílias e jovens, em sua maioria da região, que fazem dali uma extensão de suas casas. Para eles, o Sr. Antonio, sua esposa Zonelia e seu filho Leandro já fazem parte de suas vidas há tanto tempo, que é como se fossem da família, ou como se sempre tivessem estado ali. Como no interior. Como nos velhos tempos.
Fundada há quase duas décadas por um espanhol de Barcelona, a Casa do Churro atrai muita gente para uma parte residencial do Tatuapé.

O movimento da esquina azul e branca se justifica pela qualidade e criatividade dos produtos servidos. A começar pelo churro simples (R$ 4), sempre frito na hora e com farto recheio que, além dos tradicionais doce de leite e chocolate, pode ser de beijinho, geleia de banana, chantilly ou até catupiry. Também tem a opção com goiabada de ótima qualidade, receita provada e aprovada por nós.

Criação da casa, o Lambuzado (R$ 7) é servido no prato e, além do recheio, vem com uma cobertura e mais um complemento. Nós optamos por doce de leite no meio, chocolate por cima e farofa de castanha de caju pra finalizar. Excelente.

Para levar pra casa, o destaque são os churros em roda, tradição espanhola com nada menos do que 3 metros de massa. A versão simples, que pode ser coberta com açúcar, custa R$ 35. Com uma cobertura, o preço sobe para R$ 45. Há, ainda, combinações mais caras como a de goiabada com catupiry.
Paladares mais, digamos, ousados, podem pedir ainda churros salgados nos sabores bacalhau, frango com requeijão, mussarella e tomate seco com requeijão.

Brincando de Chef – www.brincandodechef.com.br
Exibindo de 1 a 14
Total de opiniões: 25

Nota geral Você conhece o A Casa do Churro? Escreva uma opinião! Dê sua nota!
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)